Calculadora 5.0 feita sob medida para uso dos cidadãos mexicanos

O ingresso na nova economia digital transformará positivamente o desenvolvimento socioeconômico dos países. Na América Latina, os esforços dos governos para incentivar a adoção digital em diferentes setores permitirão alcançar essa revolução tecnológica de forma mais eficiente. Nesse sentido, a criação de planos estratégicos é um passo significativo das autoridades.

Da mesma forma, o Instituto Federal de Telecomunicações (IFT) apresentou a versão 5.0 da calculadora de probabilidades de uso das tecnologias da informação no México, que permite identificar os grupos populacionais mais atrasados em termos de adoção das TIC para os quais não existe informação desagregada. Entre os dados coletados, nota-se que um dos grupos mais afetados são as pessoas idosas em relação ao seu uso, incluindo a realização de atividades pela Internet.

A forma de funcionamento desta ferramenta interativa é mostrar as informações ao usuário com base na idade, sexo, nível educacional, ocupação, estrato socioeconômico e local de residência. Para a atualização dos dados, foi utilizada a Pesquisa Nacional de Informações nos Domicílios (ENDUTIH) de 2022.

Entre os resultados mais destacados, identificou-se que a educação tem um impacto importante no uso das TIC e nas atividades que podem ser realizadas pela Internet. De acordo com a Calculadora, uma mulher de 35 a 44 anos, residente em Sinaloa, com estudos de ensino fundamental, com trabalho e pertencente ao estrato médio baixo, tem uma probabilidade de se capacitar através da Internet de 51,6%, enquanto para uma mulher com as mesmas características, mas com estudos de ensino superior, a probabilidade aumenta para 93,3%.

Outro dos itens mais destacados são as mulheres de 55 anos ou mais, com estudos de ensino médio, residentes em Michoacán, sem nenhuma fonte de trabalho, pertencentes ao estrato socioeconômico médio baixo, com uma probabilidade de 34,1% de utilizar as redes sociais. Por outro lado, a probabilidade aumenta para 75,9% para as mulheres com as mesmas características, mas com idade entre 35 a 44 anos.

Levando em conta o exposto, é importante mencionar que, a nível nacional, 65,6% das pessoas de 55 anos ou mais não utilizam a Internet, seja porque não sabem utilizá-la, porque não têm interesse ou porque não precisam dela para o desenvolvimento de suas atividades diárias.

Ao comparar os resultados entre mulheres e homens, destaca-se que é mais provável que as mulheres realizem mais compras pela Internet do que os homens. Uma mulher de 25 a 34 anos, que vive em Yucatán, trabalha, tem estudos de nível superior e pertence ao estrato socioeconômico médio alto, tem uma probabilidade de 53,8% de realizar compras online, enquanto para um homem com as mesmas características, a probabilidade diminui para 51,8%. Essa tendência se repete sempre que as características sociodemográficas se mantêm para ambos os sexos.

Entre as tecnologias disponíveis para o uso da Calculadora 5.0 estão o celular convencional, o celular inteligente, a televisão aberta, o rádio, o computador e a Internet. Quanto às atividades que podem ser realizadas via web, é possível selecionar redes sociais, capacitação ou educação, consumo de mídia audiovisual gratuita e paga, realização de compras e vendas, bancos online e busca de emprego.

É importante saber que, após a coleta das informações, a ferramenta mostra as características de cada perfil, identificando as particularidades do usuário e fechando as lacunas de uso; em outras palavras, torna-se um instrumento feito sob medida para quem interage com ela. Tudo isso, por sua vez, desenvolve um insumo para a melhoria de políticas ou estratégias de inclusão digital.

O objetivo do governo mexicano prioriza a ciência, a tecnologia e a inovação como instrumentos-chave para alcançar a transformação social e produtiva do país. No entanto, para que esses esforços tenham uma repercussão mais eficiente no mercado, é necessário incentivar o desenvolvimento da banda larga móvel com tecnologias como LTE e 5G, que se mostram como ferramentas indispensáveis para a digitalização dos países.

Também deve haver um compromisso das autoridades quanto à implementação de políticas que estimulem a adoção da banda larga móvel, disponibilizando as operadoras maiores porções de espectro radioelétrico, considerando que os serviços 5G precisam de bandas de espectro baixas, médias e altas para otimizar seus benefícios.

Consequentemente, deve-se gerar uma agenda de futuros leilões de espectro radioelétrico, que permita previsibilidade no momento de realizar os investimentos. Por outro lado, é necessário reduzir as cargas tributárias e os entraves burocráticos que pesam sobre a implantação de infraestrutura.