Brasil implementa rua digital para conectar cidades do nordeste

Os países da América Latina avançam na digitalização de suas economias e sociedades, com o objetivo de ingressarem na revolução 4.0. Aumentar a presença da tecnologia em diferentes áreas tornou-se uma busca constante das autoridades da região.

Nesse sentido, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação anunciou o lançamento do Programa Conectar – Transformação Digital para o Setor Produtivo. A iniciativa (conhecida como Rua Inteligente da Sergipe)  busca digitalizar o comércio da Rua Sergipe , que reúne mais de 400 estabelecimentos do município de Londrina, com tecnologias de cidade inteligente, maior conectividade, transformação digital de negócios e segurança cibernética.

O projeto busca levar ciência, tecnologia e inovação para onde as pessoas vivem: as cidades. Nesse sentido, a Rua Sergipe em Londrina possui características muito interessantes, com a presença de universidades e um número elevado de estudantes, o que gera uma presença significativa da ciência e do conhecimento desenvolvido por essas universidades. Isso a transforma em um lugar ideal para plantar sementes tecnológicas que darão frutos que ajudarão o Brasil a progredir no futuro.

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) também participa da iniciativa, juntamente com a Prefeitura de Londrina e o Parque Tecnológico Itaipu (PTI). A primeira rua inteligente do país terá iluminação inteligente, que melhora a luminosidade e oferece conectividade a toda a população, câmeras de segurança que reduzem atos criminosos, semáforos inteligentes que organizam o trânsito local e reduzem os congestionamentos; e um Centro de Controle Operacional (CCO), de onde será realizada a gestão dessas equipes.

Nesse processo, a ABDI realizará um projeto piloto que buscará aumentar a maturidade digital de 40 lojistas. A ideia é colaborar para que essas empresas utilizem, da melhor forma possível, as tecnologias disponíveis para que se tornem cada vez mais produtivas e competitivas, em um mercado em transição para a economia digital. Os resultados dessas iniciativas serão replicados em outras regiões brasileiras.

Para poder conectar todos os dispositivos necessários ao longo da rua inteligente, as tecnologias de banda larga sem fio se apresentam como as mais adequadas. Em particular a 5G, que por suas características permite conectar até um milhão de dispositivos por quilômetro quadrado, aumentando assim as oportunidades de oferecer um maior número de serviços a quem a utiliza.

Para avançar nesse sentido, é necessário que as autoridades brasileiras estabeleçam também uma estratégia de desenvolvimento da tecnologia 5G. Em primeiro lugar, é importante que porções maiores do espectro de rádio sejam entregues à indústria de telecomunicações móveis. Assim como a geração de uma agenda que permita conhecer futuros leilões de espectro para que as operadoras possam implantar com eficiência novas redes de telecomunicações.

Por outro lado, é necessário gerar políticas que busquem reduzir os entraves burocráticos que pesam sobre a implantação das redes de telecomunicações. Entre as melhores práticas internacionais destacam-se aquelas em que uma única regulação federal reúna todas as exigências do Estado, bem como a geração do conceito de janela única, que permite que as operadoras possam contar com um único interlocutor na administração pública para cumprir com todas as demandas necessárias.

Como pode ser visto, a iniciativa da rota inteligente é importante para estimular o desenvolvimento digital na região e em todo o Brasil. No entanto, deve ser acompanhada de outras estratégias que busquem estimular o acesso à banda larga móvel no mercado para obter maior impacto.