Bolívia combina E-Governo, Tele-Educação e Telessaúde

As Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) apresentam-se como uma oportunidade para desenvolver estratégias horizontais por parte dos estados. Ou seja, por suas características, é possível que seus benefícios alcancem diferentes setores de um governo, melhorando suas ações e aprimorando assim os benefícios para os cidadãos.

Por isso, existem na região muitos países que desenvolvem um Ministério encarregado de ampliar a adoção das TIC no mercado. Embora existam denominações para esta carteira, em termos gerais suas funções estão centradas na modernização dos diferentes setores do Estado a partir da implementação de novas tecnologias. No caso da Bolívia trata-se da Agência de Governo Eletrônico e Tecnologia da Informação e Comunicação (AGETIC).

Esta área criou no início de 2017 dois projetos que relacionam o Governo Eletrônico, o e-Governo, que busca incorporar maior uso das TIC na educação e na saúde desse país. O objetivo é combinar essas áreas com novas tecnologias para melhorar as condições de vida dos habitantes da Bolívia e, em particular, as oportunidades dos estudantes de medicina.

Em primeiro lugar, desenvolveu-se um sistema para digitalizar todo o processo de inscrição de estudantes de medicina para hospitais rurais para que façam suas residências médicas. Para realizar este projeto foi feito intercâmbio de informação entre cinco instituições: Serviço Geral de Identificação Pessoal (SEGIP), Direção Geral de Migração (DirGeMig), Universidades Públicas, Ministério da Educação e Ministério da Saúde.

Desta forma, as universidades públicas e privadas enviam ao sistema uma lista de alunos que são validados pela SEGIP ou pela DireGeMig (quando se trata de estudante estrangeiro). Uma vez verificada a autenticidade de cada estudante, realiza-se um sorteio para destinar a cada aluno um hospital rural utilizando a base de dados dos hospitais do Ministério da Saúde. A partir daí, geram credenciais eletrônicas, assinadas de forma digital para os alunos.

No momento que um estudante de medicina cumpre os três meses de residência, emite uma resolução digital por meio do sistema. Assim, remete às Universidades e ao Ministério da Educação os dados e conclusões dessas práticas. Dessa maneira, reduz o papel utilizado no processo e também se evita a perda das pesquisas e de documentação, assim como também é reduzida a possibilidade de favoritismo e influencias, melhorando a transparência desses processos.

Entre outras vantagens, a iniciativa conta com informação disponível ao longo do país, isso devido a possibilidade de contar com uma distribuição homogênea dos estudantes nos hospitais de todo o país. Também possibilita que os resultados sejam publicados de maneira transparente, permitindo a qualquer aluno ter acesso a informação para verificá-la em qualquer momento. Além de evitar que os estudantes tenham que apresentar requisitos e passar pelo trâmite de forma burocrática. E permite a geração de informação para o posterior desenho e implementação de políticas públicas.

De outra forma, contudo na mesma linha, a AGETIC também começou com a implementação do Sistema Acadêmico nos Institutos Técnicos de Saúde. Assim, estudantes podem postular, se inscrever, fazer seu registro acadêmico e solicitar o diploma on-line. Da mesma iniciativa também participam o Ministério da Saúde, o SEGIP, a DIGEMIG e o Ministério da Educação.

Dessa forma, se gera um processo mais transparente, evita erros de dados que são corroborados online, digitaliza expedientes e encurta tempo. Além de permitir a geração de dados em tempo real que ajudam no planejamento de políticas públicas. Assim, os expedientes de cada aluno serão 100% digitais e poderão ser usados para outros requisitos que se tenham mais adiante. Possibilitando que possam ter seu histórico acadêmico instantaneamente.

Ambos os projetos realizados pela agência são valiosos do ponto de vista da colaboração de diferentes setores do governo, assim como também apresentam a possibilidade de gerar transparência e facilidades para os estudantes. No entanto, é necessário que se busque dotar de conectividade a população para que este benefício possa alcançar uma maior quantidade de pessoas.

Neste sentido, faz-se necessário a conectividade da banda larga, em particular a sem fio, já que por suas características permite realizar desenvolvimento com grandes coberturas e menores investimentos. E ainda, para que este tipo de desenvolvimento seja realizado é necessário que existam políticas que tendem a colocar à disposição da indústria maiores porções de espectro radioelétrico. Da mesma forma, é importante que se reduzam as medidas burocráticas para o desenvolvimento de redes de telecomunicações.

Em resumo, os desenvolvimentos de setores conjuntos da AGETIC baseados no conceito de governo eletrônico são positivos para o mercado. No entanto, devem contemplar também a conectividade da população para ter um desenvolvimento positivo e que tenha como base o bem-estar do povo da Bolívia.

0 comments on “Bolívia combina E-Governo, Tele-Educação e Telessaúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.