Bahamas implanta plataforma de educação digital para estudantes afetados pelo furacão Dorian

As tecnologias da informação e comunicação (TIC) podem  potencializar  o desenvolvimento do setor educacional. A implementação dos programas de teleducação pode ter diferentes vertentes, desde planos nacionais sofisticados que incluem todo o ambiente educacional até soluções mais simples que buscam solucionar uma emergência ou eventualidade.

No último exemplo, o governo das Bahamas implantou um programa para ajudar, através de uma plataforma digital, mais de 1.000 estudantes que foram deslocados pela passagem do furacão Dorian. Esta iniciativa busca fornecer suporte acadêmico a esses alunos por meio das TIC.

O programa, lançado em Nassau, permite aos alunos acesso ilimitado a livros virtuais. Também permite o estabelecimento de escolas digitais que estarão online e acessíveis para futuras consultas. O programa contempla ainda a possibilidade de que estudantes até 34 anos possam concluir seus estudos por meio dessa plataforma.

A iniciativa é apoiada pela BTC Communications, Cable and Wireless Foundation, One-on-One, el Ministerio de Educación de Bahamas, la Unión de Maestros de Bahamas e a Fundación Sandals. Entre outros objetivos, busca ajudar os alunos do ensino fundamental e do ensino médio a não perderem a dedicação aos estudos e a se manterem atualizados na preparação de seus exames obrigatórios.

Nesse programa, a Fundación Sandals doou cerca de 500 tablets para ajudar os alunos que foram afetados pelo furacão Dorian e que ainda estão na faixa etária para fazer os exames. Possibilitando a recuperação de aulas, conteúdo educacional e tempo perdido na catástrofe natural. Aproximadamente 50 professores poderão desenvolver suas aulas tendo acesso a mais de 200 conteúdos com base nos currículos além de poder monitorar e orientar os alunos.

O objetivo definido, a partir da entrega dos tablets é que alunos e professores possam manter seu ritmo de estudo e acompanhar o calendário escolar dos demais alunos do país. O plano busca que, a partir da educação, os alunos, independente da idade, possam construir um futuro sólido.

Esta plataforma estará disponível, tanto para professores quanto para alunos, por um período de três meses nas Bahamas. Desde que a primeira experiência com esse tipo de projeto foi realizada em março de 2018, mais de 20.000 estudantes da Bacia do Caribe obtiveram ajuda em 13 países que, por diferentes razões, estavam pelo menos um mês fora da escola.

Durante esse tempo, a pedido dos professores mais de 500 classes foram ministradas, além de; laboratórios virtuais de ciências, análise e informação sobre o progresso dos estudantes, provas práticas com respostas e uma enciclopédia digital o que aumentou o rendimento das provas obrigatórias para o ingresso no ensino médio em 40%

Para que esse tipo de iniciativa melhore as condições de estudo dos jovens, é necessário que o mercado tenha serviços ativos de banda larga móvel. Em particular com tecnologias como 4G e no futuro a LTE,  que permita aos usuários acessar a plataforma virtual. Para isso, é necessário que as autoridades tenham planos de contingência para reativar rapidamente os serviços de telecomunicações.

Também é importante que existam políticas destinadas a aumentar a banda larga móvel no mercado. Nesse sentido, é necessária uma maior disponibilidade de espectro de rádio para que as operadoras implantem novas redes de acesso de banda larga sem fio. Além de políticas que reduzam os obstáculos burocráticos que existem ao implantar novas redes de telecomunicações.

A iniciativa realizada nas Bahamas é importante para que os alunos fiquem a par das aulas mesmo diante de desastres naturais. No entanto as iniciativas devem ser acompanhadas de um aumento na banda larga móvel, para que possam melhorar os resultados do projeto.