As tecnologias móveis têm maior penetração e muita importância nas áreas rurais

Entrevista com Karen Abudinen, Ministra de Tecnologia da Informação e Comunicação da Colômbia. Parte II

A crise de saúde causada pela pandemia levou a maioria das autoridades dos países latino-americanos a aumentarem seus esforços para manter a sociedade conectada. Às Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) foram oferecidas uma oportunidade para melhorar as condições de vida dos cidadãos.

Karen Abudinen, Ministra de Tecnologia da Informação e Comunicação da Colômbia.

Sobre essas questões, o Brecha Zero conversou com Karen Abudinen, que é advogada da Universidad del Norte e mestre em Estudos Jurídicos LLM da Georgetown University. Sua carreira profissional começou no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e no Banco Mundial, também em Barranquilla com a Fundação Nu3. Desde 2013 exerceu diversas funções na gestão pública. Atualmente, ela é Ministra da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Brecha Zero – Quais desafios a Colômbia teve que enfrentar para melhorar as condições de conectividade dos habitantes?

Karen Abudinen – São vários os desafios que tivemos que superar para levar conectividade às diferentes áreas do país, principalmente para as famílias de baixa renda e para atender a necessidade de comunicação dos colombianos. Por exemplo, barreiras regulatórias, dificuldades geográficas, deficiências de infraestrutura, altos custos de implantação, entre outros que temos que resolver todos os dias ao buscar uma melhor posição para a Colômbia em termos de conectividade na região.

No entanto, estamos trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana para fazer da Colômbia uma rede única que transporta sonhos, incentiva empreendedores e leva conectividade para todos os cantos do país. Para isso, é importante o pacto de conectividade que realizamos com prefeitos e governadores, que nos convida a unir esforços e recursos federais, estaduais e municipais para conectar mais famílias colombianas em áreas urbanas e rurais.

Além disso, devo destacar que a Lei de 1978 ou a modernização do setor TIC é o resultado de um grande esforço do governo para gerar um ambiente jurídico adequado para garantir a maximização do bem comum em um ritmo acelerado, graças a lei já podemos observar os efeitos positivo. Por exemplo, conseguimos avançar em projetos definitivos para o país como o leilão de espectro que realizamos em dezembro passado e garante conectividade com tecnologia 4G em 3.658 localidades do território nacional.

Após um trabalho coordenado com as autarquias locais e regionais, conseguimos que dos 1.103 municípios que o país possui, 708 já contem com regulamentação, o que equivale a 64% do país. Precisamos que as pessoas entendam que os benefícios são muito bons se estiverem conectadas, porque podem ter acesso ao desenvolvimento. Temos que nos libertar de mitos para ter acesso às mesmas oportunidades, eliminar as barreiras mentais, institucionais e físicas que nos impedem de levar infraestrutura para toda a Colômbia, para que o desenvolvimento seja mais dinâmico.

Brecha Zero – Qual a importância das tecnologias móveis para garantir a conectividade dos diferentes setores?

Karen Abudinen – Hoje, o desempenho da tecnologia móvel versus as conexões fixas ainda é diferente. Isso se deve às características de velocidade de cada uma das tecnologias, e também ao número de dispositivos que podem ser conectados a cada uma.

No entanto, com o desenvolvimento de novas tecnologias móveis como a 4G e superiores, além do aumento da capacidade de dispositivos, em particular, dos smartphones modernos, essa lacuna está se fechando: pessoas com conexões móveis agora podem ter acesso, por exemplo, às transmissões ao vivo em seus telefones celulares. No entanto, não se pode ignorar que, devido à acessibilidade, as tecnologias móveis têm uma penetração maior quando comparadas às tecnologias fixas e são particularmente importantes em áreas rurais onde a cobertura sem fio é fácil de implementar.

Informações sobre serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação, coletadas e verificadas pelo Ministério de Tecnologia da Informação e Comunicação (MinTIC), revelam que a Colômbia passou de 12,8 milhões de conexões de Internet móvel 4G no primeiro semestre de 2018 para 20,9 milhões nos últimos 20 meses, o que significa um aumento de 8,1 milhões (5,7 milhões para demanda e 2,4 milhões para assinatura).

No mesmo período, o país também passou de 6,56 milhões de conexões de Internet fixa para 6,95 milhões. Ou seja, 394.387 novas conexões. A este número, somam-se as 343.000 novas ligações para residências das regiões 1 e 2 já contratadas pelo MinTIC, na primeira fase (de duas) do programa casa digital. É o maior programa de conectividade social de toda a história da Colômbia.

Vale ressaltar que em 2019, a Colômbia registrou o maior crescimento de sua história em novas linhas de Internet móvel 4G, com um aumento de 5,22 milhões, atingindo assim quase 21 milhões de linhas nesta tecnologia. Isso constitui um grande avanço considerando que entre 2014 e 2018, o crescimento médio anual foi de 4 milhões de novas conexões para essa tecnologia.

Brecha Zero – Quais lições você pode mencionar que foram deixadas pela crise gerada pela pandemia até agora?

Karen Abudinen – Que as oportunidades surgem das dificuldades, e que, nesses momentos de emergência, devemos trabalhar em equipe para identificar soluções que gerem bem-estar para todos.

Através do MINICT avançamos com um pacote de medidas que visa garantir o acesso aos serviços de comunicação aos colombianos, que não teríamos alcançado sem o apoio da iniciativa privada, que também pensa no bem-estar de seus usuários.

Continuaremos trabalhando para garantir a conectividade para todos os colombianos. Nosso trabalho não para porque somos uma entidade comprometida com o bem-estar social, com o patrimônio digital.