Os diversos mercados da América Latina realizam diferentes esforços na busca da redução da exclusão digital. Para isto consideram importante diferentes planos e estratégias que têm como objetivo aumentar a conectividade, um dos países da região que está realizando esforços neste sentido é o México.

Vargas

Servando Vargas – Consultor

Servando Vargas é mexicano e consultor independente especializado em telecomunicações. Com mais de 25 anos de experiencia, tem tido posições com responsabilidades adicionais como: Mercadotecnia a nível Global, Level Marketing Global, Planejamento Estratégico e Gestão de Negócios. Isso antes de entrar para a equipe de Marketing Global Alcatel-Lucent. Ele também é membro do Conselho da Associação Mexicana de Direito à Informação (Amedi).

Sobre a realidade do mercado do México, o Brecha Zero conversou com Vargas:

Brecha Zero: Como influenciaram as TIC no desenvolvimento socioeconômico do México?

Servando Vargas: A participação das TIC na economia do México tem mostrado um avanço importante. Como exemplo, podemos mencionar que de 2011 até 2015, o crescimento das telecomunicações tem sido quase três vezes maior que o PIB nacional. A economia mexicana observou um crescimento em média da ordem de 4%, enquanto que das telecomunicações o PIB era de 2,5%, atualmente esta contribuição é de 3,5%. Anteriormente, evidenciava que as TIC, são sem dúvida um motor de desenvolvimento econômico e que seu impacto é muito positivo para a economia do país.

Do ponto de vista social, as TIC têm um impacto positivo em matéria de saúde, educação. Novas formas de interagir com o meio, como exemplo, a Internet das Coisas (IoT) que está provocando um momento histórico no setor com uma gama de aplicativos e soluções somente limitadas pela imaginação. No entanto, um aspecto disruptivo das TIC é sem dúvida a influencia na opinião pública. Hoje em dia, a informação flui através das redes sociais, que permitem ter um panorama imediato de acontecer nacional e mundial, formando opinião ou critério da sociedade. Até entender que pela liberdade com que se manejam as redes sociais, a comunicação é imperfeita. No entanto, sem dar lugar às dúvidas, as TIC são, hoje em dia, um meio de expressão para a sociedade.

Brecha Zero: De que maneira as TIC melhoram a qualidade de vida dos cidadãos?

Servando Vargas: As TIC possibilitam chegar em áreas distantes ou de difícil acesso, no qual permitem a educação à distância, assim como integrar pecuaristas, agricultores e comunidades longe das grandes cidades do mundo, no qual podem comercializar seus produtos ou serviços de maneira mais eficiente, em função da economia de tempo e redução substancial nas transferências.

Nas grandes cidades, facilita o trabalho a distância e gera novas oportunidades para empresários e empreendedores em função de novos modelos de negócios derivados das novas formas de interagir via estas plataformas digitais.

Os benefícios enquanto qualidade de vida são inumeráveis, no entanto o elemento de maior destaque das TIC são, sem dúvida, favorecer a cooperação e colaboração entre indivíduos e entidades.

Brecha Zero: Quais são as medidas que o México realizou como país para potencializar o uso das TIC?

Servando Vargas: O México tem promovido diferentes medidas para ampliar o uso das TIC. Menciono as que parecem ser mais importantes e que atualmente encontram-se em implementação:

  • México Conectado: Esta medida tem como objetivo levar conectividade de banda larga gratuita para escolas, centros de saúde, bibliotecas e espaços públicos em todo o México.
  • Rede Troncal: O objetivo desta iniciativa é utilizar a fibra óptica da Comisión Federal de Electricidad como a coluna vertebral de uma rede de alta capacidade para o transporte de dados, no entanto agora administrada e construída pelas Telecomunicações do México (Telecomm).
  • Programa Nacional de Espectro Radioelétrico. O objetivo desta iniciativa é o de promover e tornar o uso do espectro radioelétrico eficiente. Até que recordar que depois da licitação da banda AWS no começo de 2016, o México havia licenciado 314 MHz de espectro e encontra-se abaixo da média de assinantes da América Latina (319 MHz) e das recomendações da UIT(1.300 MHz), por isso é imprescindível continuar com a alocação de espectro para poder ter as capacidades de aproveitar os novos serviços e aplicações da banda larga móvel.
  • Red Compartida (Rede Compartilhada). Do meu ponto de vista, é o projeto mais ambicioso em décadas de Governo Federal. A iniciativa contempla um investimento de 7 milhões de dólares nos próximos dez anos via uma associação público-privada para construir uma rede que proporcionará a banda larga móvel para a população e que cobrirá 92,2% do país. A Red Compartida comercializará seus serviços exclusivos para operadoras de telecomunicações e iniciará operações mais tardar em 31 de março de 2018. O projeto contempla o uso de 90 MHz da banda de 700 Mhz para proporcionar serviços 4G.

Brecha Zero: Quais medidas considera que podem potencializar ainda mais a adoção das TIC no mercado?

Servando Vargas: Existem vários aspectos para ampliar a adoção das TIC no México. Do meu ponto de vista, os mais importantes são três:

  • Continuar desenvolvendo mais políticas públicas que gerem a abordagem destas tecnologias para um maior número de mexicanos.
  • A renegociação do Tratado de Livre Comercio poderia desencadear condições imprescindíveis neste momento, por isso é imperativo que desde agora, tanto na indústria como as autoridades mexicanas sejam proativas para poder ter vantagens sobre as tarifas para obtenção de melhores condições, tanto para importar como para exportar as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC).
  • A segurança tem um papel vital, que é o poder de definir uma estratégia em matéria de cibersegurança.

Brecha Zero: Dos diferentes mercados verticais (saúde, educação etc), quais tiveram melhor desempenho com a incorporação das TIC?

Servando Vargas: Têm sido as grandes empresas, com alto faturamento as que melhor têm incorporado as TIC em seus negócios no México. Nestas empresas, o setor manufatureiro e o financeiro são os setores que mais tem adotado essas tecnologias. Cabe destacar que os setores governo e educação também têm sido importantes atores em matéria de investimentos nestas novas tecnologias no México.

Brecha Zero: Que influência considera que possui o desenvolvimento de uma país da redução da Exclusão Digital?

Servando Vargas: A economia baseada nas TIC tem sido desenvolvida em função da adoção da Internet em nossas vidas diárias, tem um impacto positivo na sociedade e nos diferentes agentes econômicos. Esta realidade tem gerado entre outras coisas; inovação, maior produtividade, novos modelos de negócio e colaboração, assim como melhor qualidade de vida. A Internet das Coisas (IoT) é uma amostra contundente do anterior, que com aplicabilidades limitadas apenas pela imaginação, permitirá um maior desenvolvimento das nações.

É por esta razão que os governos estão mais conscientes da importância das TIC no desenvolvimento dos países. Não obstante, o acesso a estas plataformas não é generalizado. A penetração da banda larga fixa no México é de 48 assinaturas a cada 100 lares, o que significa que mais de 50% dos lares mexicanos não possuem acesso à Internet, enquanto que a penetração de banda larga móvel é de 61 linhas a cada 100 habitantes.

O anterior reflete que existe um longo caminho para diminuir a exclusão digital no México em função primordialmente do baixo poder aquisitivo da população, o que torna importante que se desenvolvam mais políticas públicas para diminuir a exclusão digital em benefício das famílias e do desenvolvimento econômico do México.

Brecha Zero: Como podem influenciar em iniciativas como a Rede Compartilhada de 700 MHz na qualidade de vida dos habitantes do México?

Servando Vargas: A Red Compartida (Rede Compartilhada) terá uma cobertura nacional de 92,2% e deverá iniciar suas operações em menos de um ano. Um dos objetivos da Red Compartida é gerar uma maior concorrência no setor, por isso espera-se uma redução de preços que deixará mais acessível o acesso às TIC para a população, que por razões de ordem econômica, vivem desconectados. Atualmente, 50 milhões de mexicanos não possuem conexão com a internet. O dado significa que a Red Compartida é uma iniciativa de inclusão digital.

Este ambicioso projeto reduzirá as barreiras de entrada no mercado de banda larga móvel, permitindo o acesso a um grande número de serviços para a população que atualmente não se encontra conectada. Tais serviços poderão ir desde educação à distância, transferências eletrônicas de dinheiro, comércio eletrônico, comunicação familiar, até novos modelos de negócio, somente mencionando alguns.

O acesso de Operadoras Móveis Virtuais (OMV) à Red Compartida permitirá que estes jogadores de nicho, ofereçam ao mercado ofertas muito mais focadas para segmentos de mercado com baixa entrada, permitindo dar maiores oportunidades de acesso à Internet a uma maior população e que ao mesmo tempo, melhore sua qualidade de vida.

Brecha Zero: Neste cenário, qual é a importância das tecnologias de banda larga sem fio no momento de potencializar o acesso no México?

Servando Vargas: A banda larga sem fio é sem dúvida o motor de crescimento da banda larga no México. No final de 2016 existiam 74.5 milhões de acessos de banda larga sem fio, cifra muito importante se compararmos com os 16.1 milhões de acessos de banda larga fixa.

Quanto às tecnologias sem fio, é importante apontar que a maior parte do tráfego sem fio no México se dá via 3G, 55% no quarto trimestre de 2016 e 44% via 4G. A tecnologia 2G está desaparecendo e somente 1% do tráfego sem fio foi transportado pela tecnologia no final de 2016.

A adoção de um maior número de dispositivos sem fio como telefones inteligentes e “tablets”, assim como uma maior dependência de aplicativos e serviços torna necessária a utilização de novas tecnologias sem fio que sejam totalmente IP, com maior velocidade e menor latência. Neste sentido, as operadoras realizam esforços constantes para implantar os avanços tecnológicos ao mercado em benefício dos consumidores. A América Movil estará oferecendo serviços móveis através da tecnologia sem fio 4.5G no México ao final de 2017, o qual mostra a importância que representa para as operadoras a introdução de tecnologias móveis vanguardistas. Sem lugar a dúvidas, as outras operadoras no México estarão se movendo nesta direção e até mesmo avaliando as tecnologias sem fio como a 5G.

As tecnologias de banda larga sem fio são sem dúvida de vital importância para poder responder as demandas do mercado, por isso sua evolução será um fator que facilita o desenvolvimento da sociedade e a economia mexicana.