As entidades do Estado da Colômbia serão fontes de dados para alimentar a Inteligência Artificial

O mundo está começando a atravessar uma nova revolução industrial na qual a inteligência artificial (IA) se destaca como uma tecnologia de uso geral que muda tudo, desde a forma como produzimos, consumimos, negociamos e trabalhamos. A emergência da IA e outras tecnologias relacionadas não se limita a um conjunto restrito de setores e atividades, mas é massiva.

Neste sentido, o governo da Colômbia, por meio do Ministério das Tecnologias da Informação (MINTIC), buscará implementar um projeto de lei que criará uma cultura de gestão e aproveitamento dos dados coletados pelas Entidades Estatais na Colômbia, que serão geradoras de informações que servirão para alimentar a criação de algoritmos que resultam em Inteligência Artificial.

A Inteligência Artificial precisa de dados para construir suas bases, quanto maior a quantidade de dados que os sistemas possam acessar, mais as máquinas podem aprender e, portanto, mais precisos e eficientes serão seus resultados. A IA vive em uma fase contínua de aprendizado na qual se alimenta das informações que continuamente estamos fornecendo.

Esta iniciativa visa criar seis Microcentros de IA no departamento de Bolívar e replicá-lo em toda a Colômbia, conectando 80% das escolas oficiais nos municípios de Pinillos, Mompox, Turbaco, Magangué e Cartagena. Esta iniciativa começará a trabalhar com a Asobancaria, a Superintendência Financeira e outras entidades, conseguindo um repositório de todos os dados colombianos e ao mesmo tempo garantindo que sejam bem geridos pelo SIC ou pela Superintendência Financeira.

Essas escolas ficarão conectadas com internet via satélite, fibra óptica ou através dos Centros Digitais, alcançando a transformação dos territórios com conectividade digital. Também será complementado com a entrega de computadores aos estudantes do município para contribuir para o fechamento das lacunas existentes.

As iniciativas que buscam aumentar o uso de novas tecnologias são de grande importância para melhorar as condições da população. No entanto, é necessário que estratégias sejam implementadas para que essas decisões proliferem em diferentes ambientes. Nesse sentido, os serviços de banda larga móvel permitem desenvolver um grande número de finalidades para melhorar a conexão dos cidadãos.

Tecnologias como LTE e 5G permitem uma conectividade robusta e de alta velocidade que possibilita desenvolver serviços sobre novas tecnologias, como a Internet das Coisas (IoT), a partir dessa combinação será possível potencializar uma série de projetos que permitirão automatizar e alimentar as bases de dados. A oportunidade de diferentes entidades públicas poderem se comunicar entre si gerará uma big data que servirá para contribuir e centralizar os dados colombianos.

Para isso é necessário que exista uma política que busque potencializar os serviços móveis de forma planejada. Entre estas medidas, torna-se importante a quantidade de espectro radioelétrico disponibilizado para serviços de banda larga móvel. Vale ressaltar que LTE e 5G exigirão bandas altas, médias e baixas para o desenvolvimento saudável do seu ecossistema. Além disso, é necessário que se estabeleça uma agenda com futuros leilões de espectro que possibilitará à indústria planejar de forma mais eficiente a implantação de suas redes.

Na mesma linha, torna-se necessário reduzir a burocracia existente no momento de obter as autorizações para implantar redes de telecomunicações. A criação de uma norma única que agregue as demandas dos diferentes níveis do Estado, juntamente com a criação de uma janela única para a apresentação de procedimentos, tornam-se necessárias para facilitar a implantação de redes.