Argentina busca conectar 300 centros de saúde pública

A conectividade se tornou uma grande aliada dos diferentes governos da região durante a pandemia de Covid-19. A capacidade de manter funcionários conectados dos setores público e privado,  permitiu que as medidas de distanciamento social fossem respeitadas, reduzindo a disseminação do vírus na população e permitindo a manutenção e funcionamento de alguns setores produtivos.

Na Argentina, o Ministério de Inovação Pública começou a trabalhar para garantir  conexão via satélite dos centros de saúde primários da NOA, Cuyo e Patagônia. Em um trabalho liderado pelo Ministério da Saúde da Nação em conjunto com a Secretaria de Inovação Pública e a ARSAT, empresa estatal satelital.

O objetivo é fornecer conectividade para os mais de 300 Centros de Atenção Básica à Saúde (CAPS). Entre as províncias beneficiadas estão Catamarca, Chubut, Jujuy, La Rioja, Mendoza, Neuquén, Río Negro, Salta e San Juan. O objetivo é permitir a conexão de pessoas e de centros isolados para evitar uma maior circulação da população e, consequentemente, do vírus SARS-COV-2.

Da mesma forma, as unidades básicas de saúde poderão manter-se conectadas à população, estratégia importante por serem o primeiro elo do sistema público de saúde no combate à pandemia. Para atingir esse objetivo, o trabalho de campo será realizado pela estatal ARSAT.

Em um primeiro momento, cerca de 70 Centros de Atenção Primária à Saúde foram interligados em Catamarca, Chubut, Jujuy e Neuquén que não contavam com nenhum tipo de conectividade terrestre. Estima-se que nas próximas semanas esta operação de implantação atinja os outros cinco distritos mencionados.

Essas ações permitem melhorar as condições de atendimento ao público, bem como manter os médicos desses centros em comunicação com todo o sistema público de saúde nacional. É importante que esse tipo de estratégia seja reforçado com outras formas de conectividades para tornarem as conexões redundantes.

Neste sentido, é necessário avançar para viabilizar o desenvolvimento da banda larga móvel, que pelas suas características é uma ferramenta que permite a conexão de grande parte da população. Uma maior disponibilidade de espectro de rádio para o setor ajudaria a aumentar a disseminação dessas tecnologias.

É importante considerar que em muitos países as tecnologias móveis são uma alternativa de acesso que facilita o desenvolvimento de uma infinidade de aplicações que vão desde a oferta de turno online para a população, até aplicativos de rastreamento que permitem mapear o alastramento do vírus. Nesse sentido, destaca-se a aplicação implantada pela Argentina, que é uma solução abrangente que reúne não só aspectos relacionados à saúde, mas também produtivos.

Da mesma forma, a oportunidade da população se conectar é uma janela de oportunidade para aprimorar os mecanismos de divulgação preventiva de informações. Por serem de uso pessoal, os celulares garantem o alcance de grande parte da população e as informações podem ser oferecidas de forma segmentada, promovendo a conscientização dos cidadãos sobre os cuidados que devem ser tomados para prevenir a doença.

Como é possível observar, a conexão dos centros de saúde de atenção primária distantes dos grandes centros urbanos é uma primeira iniciativa de grande importância para o setor de saúde na Argentina. No entanto, essa iniciativa deve vir acompanhada de uma visão abrangente que considere também a conectividade da população, a fim de obter melhores resultados.