Os avanços das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no setor da saúde representam muito mais do que a inclusão de instrumentos de medição e avaliação por imagem. Seu desenvolvimento possibilita desde alternativas simples como aplicativos móveis até outras mais complexas como interconsultas médicas à distância.

Em termos gerais, as redes móveis geralmente são utilizadas para o controle e atendimento de diversas doenças. A irrupção da rede móvel dentro da Telessaúde esteve associada à expansão da banda larga móvel e à massificação dos smartphones. Ambas as condições possibilitaram seu desenvolvimento, alcançando não somente os profissionais da saúde, mas também a população geral, sem limitar-se aos pacientes.

Neste segmento, o “Dulce Wireless Tijuana” (DWT) é um projeto que combina a educação em atenção crônica autocontrolada com a tecnologia móvel de vanguarda e colaboração comunitária. A colaboração de ambos gerou um método eficaz para melhorar os resultados no tratamento da diabetes.

O projeto conta com a participação da Qualcomm Wireless Reach e de um grupo binacional de sócios dirigidos pelo International Community Foundation, incluindo o Instituto Mexicano de Seguro Social (IMSS), a Universidade Autônoma da Baixa Califórnia (UABC), o Scripps Whittier Diabetes Institute (SWDI) e a Fronteras Unidas Pro Salud.

O controle da diabetes é fundamental em termos de Saúde pública. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a diabetes tornou-se uma das principais causas de doenças e morte prematura em todo o mundo. No globo existiam mais de 347 milhões de pessoas com diabetes em 2014, e a organização estima que serão a sétima causa de morte em 2030. Assim mesmo, observa-se que 80% das mortes por diabetes têm sido registradas em países em vias de desenvolvimento.

Nas Américas, a OMS estima que em 2012 existiam 62 milhões de pessoas com diabetes, e calcula que para 2040 esse número chegará a 109 milhões de pessoas. Assim mesmo, a organização estimou que os gastos de saúde destinados à esta doença estimaram US$ 382.600 milhões em 2015 e chegarão a US$ 445.600 milhões em 2040.

O projeto DWT adotou um programa do SWDI implantado nos Estados Unidos, com e sem tecnologia móvel que serviu para dar seguimento ao atendimento de 301 pacientes diagnosticados com diabetes ao longo do período de dez meses entre 2011 e 2014, na Unidade Médica Família #27 do IMSS em Tijuana, no México.

O programa possibilitou aos pacientes com uso de glicosímetro, um aplicativo que os permite o acesso à um sistema com dispositivos móveis, como celulares, netbooks e laptops. Oferecendo um método eficaz para que os pacientes de baixa aderência tenham a possibilidade de controlar níveis de açúcar no sangue. Estes dispositivos permitiram que permaneçam em comunicação com médicos, por meio de uma rede de banda larga móvel 3G. As redes móveis serviram para prover os dados e, ao mesmo tempo, oferecer informação aos pacientes sobre os passos a seguir.

Sendo assim, o programa possibilita aos pacientes relatarem para os médicos, através da rede, de forma imediata, como foi seu dia, qual o nível de glicose diário e quantos carboidratos consumiram, entre outros detalhes. Assim profissionais da saúde podem contar com um sistema que armazena a informação que foi proporcionada durante o dia, para poder tomar decisões sobre o quadro de cada paciente.

O programa além disso, possibilitou que se realizem cursos intensivos sobre como cuidar da saúde mediante uma alimentação correta, exercícios, medicamentos e cuidados emocionais. Além de terem realizado oficinas por quase um ano para aplicar este conhecimento. O programa possibilitou também que se forneça uma atenção especial para cada paciente, com constante comunicação com médicos, enfermeiros e promotores da saúde.

Esta iniciativa é muito importante para deter uma doença que, como explicou-se é uma ameaça real para a saúde pública, é necessário que tenha um correlato dentro das possibilidades de conectividade. De outro modo, os esforços do setor de saúde precisam estar alavancados em decisões políticas que beneficiam a conectividade desde o setor de telecomunicações.

Neste sentido, existem duas grandes políticas que devem ser consideradas para poder potencializar o acesso à banda larga aos habitantes. A primeira é a disponibilidade de espectro radioelétrico para a indústria de serviços móveis, facilitando assim o desenvolvimento de novas tecnologias que ofereçam conectividade aos habitantes do México. É importante destacar que, com 314 MHz, este mercado encontra-se por baixo da média da América Latina (339 MHz) de espectro radioelétrico entregue para oferecer serviços móveis, segundo o Índice 5G Americas de Espectro Radioelétrico.

Enquanto que outra das estratégias a ser desenvolvida é a redução imposta aos terminais de acesso, tornando-se assim mais acessíveis aos dispositivos essenciais para que os habitantes possam acessar este tipo de serviços. Ou seja, o dispositivo de acesso é novamente fundamental para que o aplicativo tenha sentido, já que é desta forma que se comunicam com os pacientes, enfermeiros e médicos.

Como pode-se observar, as iniciativas como DWT transformam-se em uma ferramenta importante para controlar uma doença de extrema preocupação para a OMS. Sobretudo porque está focada nos setores da sociedade que geralmente estão mais desprotegidos. Entretanto, a possibilidade dos estados facilitarem a conectividade para as pessoas também devem ser considerada para este tipo de projeto tornar-se eficaz.