Anatel e BID assinam acordo para mapear a demanda por banda larga no Brasil

A busca pela digitalização das sociedades e economias é tarefa dos governos dos diversos países da América Latina. Para atingir esses objetivos, é necessário trabalhar na ampliação do acesso à banda larga, bem como no mapeamento das áreas onde a demanda por esses serviços é maior.

Nesse sentido, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) fecharam um acordo para desenvolver a primeira plataforma digital de monitoramento de conectividade do país. O projeto Crowdsourcing for Digital Connectivity in Brazil (C2DB), busca mapear o acesso à conectividade no Brasil para planejar investimentos sustentáveis ​​no setor de telecomunicações.

O projeto identificará a demanda não atendida por serviços de banda larga fixa e móvel em todo o território brasileiro e depois produzirá uma análise sobre a viabilidade de conexões para essa demanda. Para realizar esta tarefa, foram desenvolvidas tecnologias e metodologias que combinam diferentes fatores e critérios técnicos para identificar áreas de demandas não atendidas para poder agrupá-las, conectá-las com áreas de maior acesso e estimar o custo para levar serviços para mais pessoas, instituições e empresas.

Com base nesses dados, o governo poderá trabalhar na criação de políticas públicas de acesso à Internet e na ampliação da infraestrutura de conectividade, buscando criar um ambiente mais propício para a indústria expandir suas redes e atender à demanda pelo serviço. Nesse sentido, é importante que as autoridades atendam às necessidades do setor para estimular esses investimentos.

Em particular, os serviços de banda larga móvel são apresentados como uma oportunidade eficaz para alcançar grande cobertura geográfica de forma mais rápida e barata. Tecnologias como a LTE e, no futuro, a 5G, permitirão oferecer grandes velocidades de acesso de forma robusta.

As políticas destinadas a estimular o investimento no mercado incluem aquelas que visam ampliar a quantidade de espectro radioelétrico para serviços móveis. Bem como a geração de uma agenda com futuras licitações de espectro, o que permitirá à indústria planejar com eficiência.

Em suma, a geração de dados que possibilita um planejamento eficiente dos investimentos em conectividade é uma medida muito positiva para o Brasil. No entanto, precisa de uma bateria de políticas públicas que visem aumentar a conectividade no mercado.