Alunos do Panamá analisam plataforma de educação a distância

Entre os desafios apresentados na implantação das tecnologias de comunicação e informação (TIC) no setor educacional está a avaliação das ferramentas necessárias para a realização desses projetos. Desde a aceitação e a utilização do corpo docente à efetiva avaliação de sua eficácia.

Entre essas etapas está inclusa também a avaliação dos professores. Nesse sentido, a Autoridade Nacional de Inovação Governamental (AIG) e o Ministério da Educação (MEDUCA) do Panamá convocaram representantes de diferentes setores do país para avaliar a plataforma ESTER.

Os líderes estudantis se reuniram com o objetivo de analisar o impacto e os benefícios da plataforma educacional ESTER. Além de identificar estratégias de colaboração que possam gerar sinergia entre os novos alunos e a ferramenta tecnológica.

A atividade, presencial e virtual, criou um espaço de diálogo para os alunos aprenderem sobre a utilização e gestão desta plataforma tecnológica na prática. Os alunos iniciaram o ano letivo de 2021 na modalidade virtual por meio da plataforma ESTER, uma ferramenta assíncrona que complementa o estudo a distância e cria objetos de aprendizagem , para as disciplinas de espanhol, física, química, matemática e biologia / ciências naturais.

Durante o novo ano letivo, ESTER ficou disponível para todos os professores do ensino fundamental e médio. Atingindo mais de 78 mil usuários registrados, incluindo mais de 30 mil alunos e cerca de 47 mil professores. Da mesma forma, cerca de 60 centros educacionais fizeram uso da plataforma.

Em relação à formação de professores, tanto a AIG quanto o MEDUCA incentivaram os professores a ingressarem na plataforma virtual ESTER para realizarem cursos de tecnopedagogia, a fim de aproveitar melhor esta ferramenta. Nesse espaço virtual, também é oferecida a possibilidade de realização de práticas educativas sobre essa modalidade.

Os esforços realizados pelas autoridades panamenhas para melhorar as condições educacionais por meio de uma plataforma online é um avanço para o setor, principalmente em tempos de pandemia em que as autoridades de vários países procuram reduzir o movimento de pessoas. No entanto, essa medida deve ser acompanhada por outras que busquem aumentar o acesso à banda larga no país.

Nesse sentido, é necessário que as autoridades direcionem políticas públicas para aumentar a penetração da banda larga. Dessa forma, será possível que as iniciativas de teleducação atinjam parcelas maiores da população de forma mais eficiente. A banda larga móvel se torna uma ferramenta de alcance significativa para áreas rurais e longe dos grandes centros urbanos, tecnologias como LTE e 5G têm altas velocidades de acesso e conexões robustas.

Para facilitar essas implantações, porções maiores do espectro de rádio devem ser disponibilizadas para as operadoras de telecomunicações. Tecnologias como a 5G exigirão espectro de bandas baixa, média e alta para atender a variedade de casos de uso que serão desenvolvidos nos próximos anos. Também é importante criar uma agenda com futuras licitações de espectro que permita às operadoras ter maior previsibilidade no planejamento de seus investimentos.

Por outro lado, é necessário que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que pesam sobre a instalação de redes de telecomunicações. A geração de uma janela única que reúna as diferentes demandas das esferas administrativas é necessária para estimular o desenvolvimento de novas redes. É importante também que haja uma política de balcão única que permita ao setor centralizar o envio da documentação ao Estado.

O desenvolvimento de uma plataforma educacional é essencial para que os países mantenham a continuidade pedagógica em tempos de pandemia. Mas isso deve vir acompanhado de outras medidas que visem aumentar também o acesso à banda larga.