As ações para reduzir a exclusão digital não devem apenas considerar questões econômicas que dificultam que a população possa acessar novas tecnologias. As barreiras culturais também devem considerar o momento de incluir uma maior porção da população nas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), já que confirmam uma armadilha tanto ou mais importante que a relacionada com a entrada dos habitantes.

Neste sentido, um dos segmentos mais complicados no momento de aumentar o alcance das TIC é dos idosos. A partir dos obstáculos, basicamente culturais, esta porção da população vai ficando excluída dos avanços que propõe as novas tecnologias, assim como de diferentes benefícios que podem ser acessados por meio delas, como Telessaúde, Governo Eletrônico e outros elementos relacionados com segurança.

No caso do México, de acordo com um relatório publicado pelo Instituto Nacional de Estadística y Geografía (INEGI), para comemorar o dia mundial da Internet, o acesso à rede decai à medida que aumenta a idade do usuário. No caso particular dos idosos, apenas 21,6% dos idosos mexicanos com mais de 55 anos acessaram a internet em 2016. Ou seja, apenas dois de cada 10 habitantes próximos da idade de aposentadoria acessam a rede.

O número é muito alto e preocupante do ponto de vista dos diferentes objetivos que tem por finalidade afiançar a exclusão digital no México. Em termos gerais, de acordo com o mesmo relatório desenvolvido pelo INEGI, quase 60% da população usa ao menos uma vez ao dia a Internet. Além disso, especificava que a maioria dos usuários estava na faixa etária entre 12 e 34 anos, e seu acesso se dava por meio de um telefone inteligente, ou seja, por meio da banda larga móvel.

Neste cenário, entre as diferentes opções que existem para melhorar o acesso à rede para idosos destacam-se: a criação de planos específicos para melhorar esta condição e o aumento das opções de conectividade da população. Como pode-se observar, trata-se de um trabalho conjunto que requer esforços tanto do setor público, como do privado para poder melhorar as condições de vida dos habitantes.

Da alternativa de programas destinados aos idosos a nível estadual, o Instituto Nacional de Las Personas Adultas Mayores (Inapam) de México desenvolveu uma série de cursos de computação básica e Internet no Centro Cultural San Francisco. Foram oferecidas aulas para explicar noções fundamentais para a utilização de computadores, assim como para a navegação na web e uso de redes sociais.

O Inapam é um órgão público descentralizado da Administração Pública Federal, com autonomia e tem por objetivo atender as necessidades dessa faixa etária da população. Do ponto de vista desta área do Estado, a mudança geral cria necessidades em relação às TIC que obriga os adultos a requerer tecnologia útil, funcional e de fácil manejo. Assim, devido ao fato de existir um limitado poder aquisitivo em grande parte da população, existe uma alta demanda de assessoria gratuita para este tipo de temática.

O segundo ponto a considerar é a conectividade do mercado, em particular por meio da banda larga sem fio, que é a principal modalidade de acesso entre os setores mais jovens. Neste sentido, é importante que as ações sejam geradas da administração do país para estimular o investimento privado em conectividade e facilidades de acesso para a população.

Desse ponto, a disponibilidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel se transforma em uma necessidade para potencializar este tipo de oferta. Já que se trata de um bem necessário para poder desenvolver tecnologias de acesso robustas e com alta velocidade como a LTE. Assim, é importante que se reduzam as travas burocráticas para a instalação de redes de telecomunicações, com o objetivo de facilitar seu desenvolvimento.

Da mesma forma, a redução de barreiras impostas aos dispositivos que formam as redes e, em particular, em terminais de acesso se transforma em uma estratégia política a considerar para aumentar a penetração deste tipo de serviços. Ou ainda, a baixa nos impostos para terminais de acesso se traduz em uma redução dos preços dos mesmos, aumentando dessa maneira sua penetração entre os habitantes. É importante recordar que, de acordo com o INEGI, os smartphones são a principal ferramenta de acesso à Internet.

A aproximação dos idosos às TIC conta com uma série de travas importantes do ponto de vista cultural. No entanto, existem receitas que podem ampliar essa chegada e melhorar a experiencia para aumentar sua inclusão, aumentando dessa maneira as possibilidades de reduzir as exclusões etárias no que diz respeito a tecnologia.