Acesso às TIC e tecnologias móveis apresenta ligeira diferença entre gêneros no México

A brecha de gênero é mais acentuada no uso de aplicações digitais, acesso a computadores e empregos. A participação feminina em cargos do setor de telecomunicações se mantém muito baixa, em torno de 31% durante os últimos nove anos.

SÃO PAULO, 20 de abril de 2021 – Os dispositivos e as redes de telecomunicações móveis contribuíram para aumentar o acesso às tecnologias de informação e comunicação (TIC) da população do México. Ainda assim, algumas brechas de gênero e a desigualdade regional ainda persistem em termos de digitalização, assim como uma baixa participação das mulheres em cargos do setor de telecomunicações.

Segundo as estatísticas sobre gênero do Banco de Información de Telecomunicaciones, do Instituto Federal de Telecomunicaciones (IFT)* do México, a brecha mais acentuada registrada em 2019 foi constatada no uso de computadores entre homens e mulheres das zonas urbanas: enquanto mais de 50% da população masculina reportou a utilização de algum tipo de computador, a porcentagem feminina ficou abaixo da metade do total. No ambiente rural, a penetração de uso de computadores teve o mesmo resultado para homens e mulheres, mas se manteve abaixo dos 25% do total da população para ambos os sexos.

Quanto aos dispositivos móveis, as proporções de acesso entre homens e mulheres são similares, ainda que nas zonas urbanas sua presença seja maior. Nas zonas rurais, a proporção de usuários que utilizam o smartphone como meio de acesso à internet é de cerca de 45% para homens e mulheres, enquanto em ambiente urbano essa porcentagem é ligeiramente superior aos 70% para todos.

Os dados compilados pelo IFT também mostram que o uso de redes Wi-Fi e de banda larga móvel é semelhante entre homens e mulheres de cada ambiente, ainda que nas zonas rurais a presença de banda larga seja mais alta em relação a de Wi-Fi no geral.

Tratando-se de aplicações digitais, os dados apontam que homens e mulheres utilizam redes sociais e apps de comunicação over-the-top (OTT) em proporções parecidas, tanto nas zonas rurais como em áreas urbanas. Por outro lado, as compras pela internet e o consumo de conteúdo audiovisual gratuito apresentam maiores brechas de gênero, com frequência mais alta de utilização por parte dos homens.

As informações do IFT referentes aos empregos no setor de telecomunicações apontam que por quase uma década (de janeiro de 2011 a janeiro de 2020) a média de participação das mulheres se manteve em 31%, sendo que o período com maior envolvimento feminino no setor foi registrado em dezembro de 2011, com 41% dos cargos ocupados por mulheres. [Download]

*O Banco de Informação de Telecomunicações está disponível para consulta em https://bit.ift.org.mx/