A visão do Caribe como tema predominante no terceiro dia do WTS 2024

No terceiro dia do WTS, houve a participação de diferentes reguladores e especialistas que discutiram os desafios enfrentados pelo setor de telecomunicações no Caribe. A maioria das apresentações focou nas diversas problemáticas que esses mercados enfrentam, que, apesar de compartilharem traços culturais semelhantes, apresentam particularidades entre si.

Além disso, abordaram-se temas como a Inteligência Artificial (IA), que tem sido um dos aspectos mais discutidos nas conferências pelos especialistas, oferecendo a oportunidade de alcançar avanços significativos em áreas como medicina, robótica, condução autônoma e processamento de linguagem. Por isso, os governos buscam desenvolver leis que permitam regulá-la.

  • Maria Myers-Hamilton – Diretora da Autoridade de Gestão de Espectro (SMA) – Jamaica

Atualmente, há uma clara necessidade de garantir um Plano de Gestão do Espectro eficiente, com uma agenda de alocação de frequências que esteja alinhada às melhores práticas internacionais. O leilão de espectro tornou-se  mecanismo predominante em cada país, e deve ser desenhado para funcionar de maneira transparente, imparcial e legalmente sólida, de modo a permitir o uso mais eficiente, a fim de oferecer serviços móveis competitivos e de alta qualidade. Por isso, um bom design de mercado é fundamental para implementar esse tipo de processo competitivo, considerando a complexidade do produto e outros pontos. Também é necessário complementar combatendo a exclusão digital, que se atenua trabalhando para desenvolver e promover uma Internet aberta, globalizada, segura e confiável. (Vídeo completo)

  • Cynthia Reddock Downes – Diretora Executiva, Autoridade de Telecomunicações – Trindade e Tobago

O futuro das redes de telecomunicações e a abordagem das autoridades de Trindade e Tobago estão focados em levar o país a uma perspectiva regulatória global, onde as oportunidades e os desafios políticos de regulação sejam iniciativas atuais com um quadro regulatório que suporte a implementação da 5G. Há aproximadamente 1.4 milhões de habitantes em todo o território, com duas operadoras de conexão móvel que oferecem cobertura de 99% para 3G, 94% para 4G e LTE e 92% dos lares conectados. Atualmente, há um micro desdobramento da tecnologia 5G. As políticas são mutáveis e conseguiram identificar áreas de foco, que incluem: Acesso e serviço universal, considerando as obrigações com os fornecedores de internet fixa e móvel, fundos de serviço universal, investimento em infraestrutura de banda larga, planos de estímulo para o desdobramento de redes, planos mestres de TIC que proporcionam sustentabilidade da indústria, eficácia da organização, harmonização e empoderamento. O potencial transformador da tecnologia moderna exige que os tomadores de decisão e reguladores encontrem o equilíbrio adequado entre fatores sociais, ambientais, econômicos e legais. As redes 5G são a porta de entrada para o IoT, Inteligência Artificial (IA) avançada, Realidade Virtual, experiências imersivas, sustentabilidade tecnológica ou, essencialmente, entregar a informação correta no momento certo. (Vídeo completo)

  • José Felipe Otero, Vice-Presidente 5G Américas

O panorama das telecomunicações no Caribe evidencia a necessidade de mais espectro, especialmente nos países que não falam espanhol. As frequências baixas, médias e altas fornecem uma evolução insuficiente para atender às expectativas e requisitos para as novas tecnologias. Em alguns países do Caribe, os quadros regulatórios ainda apresentam normas obsoletas, padrões analógicos para um ecossistema digital, e dificuldades para conceder permissões de desdobramento. O atraso nos processos de alocação de espectro, a lenta aceitação da tecnologia 5G pelos consumidores, bem como o adiamento do desligamento das redes 2G, entre outros, são questões que aumentam a lacuna digital. (Vídeo completo)

  • Giovanni King, CEO, Blue NAP Americas – Curaçau

A integração do Caribe na economia global tem um ponto crucial refletido na dependência da conectividade por meio de sistemas de cabos submarinos, pois, com a dispersão geográfica das ilhas, interrompe-se o principal meio de conectar o país com o resto do mundo. É importante destacar a necessidade de fazer investimentos oportunos na atualização e substituição desses sistemas de cabos, que estão obsoletos para manter uma conectividade ininterrupta. Os esforços coordenados entre governos e instituições regulatórias devem ter prioridade para estabelecer políticas que promovam a transparência, a eficiência e o investimento. (Vídeo completo)

  • Ken Rehbehn – Analista Principal, CritComm Insights – Estados Unidos

A 5G e LTE são tecnologias que, devido às suas qualidades, oferecem maior velocidade, menor latência e capacidade aprimorada de conexão de dispositivos, oferecendo um potencial sem precedentes para melhorar os serviços em diferentes setores. Essas características permitem uma comunicação mais rápida e confiável, essencial em situações críticas. Além disso, traz benefícios para os serviços de emergência, tais como: informações de mapas de backup, detalhes da localização de incidentes, resposta da unidade, entre outros. Complementando todos esses atributos, contribui para a criação de novas oportunidades, como transmissão de vídeo, imagens de câmeras corporais e outras aplicações. (Vídeo completo)

  • Jake Saunders, Vice-Presidente, Asia ABI Research Singapore

A tecnologia 5G pode suportar uma grande diversidade de aplicações interessantes, sendo o complemento ideal para seu desenvolvimento e crescimento. Esta tecnologia foi desenhada para isso. É por isso que a conectividade permite que a transformação digital das TIC: compile, conecte, verifique, controle e mude, sendo um multiplicador de força nesse sentido. Os rendimentos pela implementação de redes privadas de tecnologia 5G crescerão para US$7.5 bilhões de dólares em 2027. A fabricação, a logística e os eventos provavelmente serão os setores que experimentarão o maior aumento na utilização dessas tecnologias. (Vídeo completo)

  • Painel 3. Moderadora Noelia Téllez, editora adjunta na TeleSemana. Painelistas: Geraldine González, consultora especialista em Regulação de Telecomunicações, Konsistenz; Sebastián Cabello, CEO da SmC + Digital Public Affairs; e Gonzalo Rojón, diretor de pesquisa na The CIU

Para abordar os pontos-chave da conectividade nos países, devem-se considerar vários aspectos, tais como: a regulamentação, os desafios dos governos e do setor privado, a alfabetização digital, as redes de infraestrutura, entre outros. Na América Latina, é notável que há uma falha constante nas estratégias que buscam fechar as lacunas digitais existentes, devido ao fato de que as políticas são erráticas, pouco transparentes, não são inteligentemente desenhadas, nem modernas. A regulamentação é importante para gerar os incentivos para o investimento, adicionalmente deve ser forte para nivelar o campo de jogo e permitir que todos os atores do setor possam participar. Nas regiões, a regulamentação das TIC está obsoleta e isso não favorece a inovação tecnológica, uma vez que está desconectada dos interesses dos investidores. (Vídeo completo)

  • Alicia Bañuelos – presidente, Fundação NAOS – Argentina

A evolução tecnológica ou cultural baseia-se em colocar em prática os conceitos que a mente pode produzir. É por isso que as novas tecnologias, como: Inteligência Artificial (IA), computação quântica, robótica, Blockchain e experiências imersivas, permitem encurtar caminhos para buscar soluções mais avançadas e eficazes nos setores. Sempre que uma tecnologia atinge certo tipo de barreira, inventa-se uma nova tecnologia que nos permitirá cruzá-la. Para a humanidade, a conectividade e seu desenvolvimento tornaram-se um dos calcanhares de Aquiles, assim como a desigualdade tecnológica. (Vídeo completo)

  • Norberto Cruz, presidente da Internet Society Capítulo Porto Rico (ISOC PR)

A infraestrutura de telecomunicações em Porto Rico é um antes e um depois do furacão Irma e Maria, foram experimentados novos desafios compreendendo a importância de estar conectados, após esse evento natural houve danos irreparáveis em telecomunicações que foram superados com o passar do tempo. Até a data, contam-se com mais de 100 torres de telecomunicações em áreas centrais e rurais que permitem uma comunicação ampla, devido ao desdobramento de fibra óptica em todas as áreas do país, com provedores aliados. Adicionalmente, conta-se com cabos submarinos, o que gera uma oportunidade de crescimento e desenvolvimento em temas de conexão de habitantes. A tecnologia utilizada na ilha é 3G, 4G, 5G e LTE para uma melhor cobertura e aporte no fechamento da brecha digital, adicionalmente foi criado um programa de banda larga, que permite incluir alocações orçamentárias do governo, designando quantias milionárias de dinheiro para construir e instalar redes e receber subsídios para fazer avançar os projetos de conectividade. Os desafios que enfrenta Porto Rico são: Danos por desastres naturais, limitação na cobertura de banda larga, infraestrutura de fibra óptica, falta de redundância em rotas alternativas, custos de manutenção e atualização. (Vídeo completo)

  • Diego Anesini – Vice-presidente de Pesquisa, IDC América Latina – Argentina

A Inteligência Artificial (IA) é uma tecnologia que deve amadurecer, devem-se resolver questões de regulamentação, segurança e habilidades, aspectos que devem ser resolvidos já que existe uma preocupação nas organizações na hora de investir. Para desenvolver qualquer tecnologia, os casos de uso são chave, pois fazem com que esta tenha sentido devido ao seu uso palpável, dessa maneira os benefícios tecnológicos se expandirão e desenvolverão em um ecossistema real. A IA ocupa um lugar cada vez mais privilegiado e importante na agenda, por isso deve ser tratada com extremo cuidado e responsabilidade. (Vídeo completo)