A Universidade de Porto Rico desenvolve uma aplicação para ajudar os idosos

As tecnologias da informação e da comunicação (TIC) representam uma grande oportunidade para melhorar as condições de vida dos habitantes dos países e aumentar a produtividade de diferentes setores. Entre esses benefícios está a criação de aplicativos para atender grupos diversos da população.

Nesse sentido, o Departamento de Ciências da Computação da Universidade de Porto Rico em Bayamón anunciou que desenvolveu um aplicativo para que o setor da saúde possa ajudar os idosos a realizarem suas atividades essenciais. Este aplicativo recebeu o prêmio durante a competição PUERTO RICO COVID IDEATHON.

A iniciativa foi criada por quatro alunos, supervisionados por um professor, que apresentou uma plataforma aberta para que comerciantes, órgãos governamentais e organizações sem fins lucrativos pudessem oferecer seus serviços ou produtos aos idosos afetados durante a pandemia. A administração da plataforma estará a cargo de um grupo de voluntários que servirão de apoio e como mediadores para que as organizações possam atender a terceira idade, com produtos ou serviços, de forma adequada.

Desta forma, o aplicativo busca melhorar as condições de vida dos idosos durante o isolamento exigido pela pandemia provocada pela Covid-19. Sua implantação permite que uma série de procedimentos sejam realizados sem a necessidade de deslocamento de suas residências, evitando, assim, maior exposição ao vírus até serem vacinados.

A iniciativa se apresenta como uma opção para melhorar a segurança dos idosos. No entanto, é necessário que, ao mesmo tempo, haja um trabalho por parte das autoridades para melhorar o acesso da população aos serviços móveis. Quanto mais as pessoas puderem contar com seus dispositivos móveis, maior será o escopo do aplicativo.

Tecnologias como a LTE e a 5G poderão facilitar o acesso de um maior número de pessoas a esses benefícios. Pois podem adicionar mais funcionalidades à plataforma como automatizar o atendimento por meio da Internet das Coisas (IoT) e, assim, melhorar a qualidade de vida dos idosos. No entanto, para que esses benefícios se concretizem, é necessário que as autoridades disponibilizem porções maiores do espectro de rádio para o setor de telecomunicações móveis.

Pelas suas características, a 5G exigirá espectro em bandas baixas, médias e altas para funcionar de forma eficiente e maximizar a quantidade de serviços que possam ser oferecidos. Portanto, é necessário que além de haver disponibilidade de todas essas faixas de espectro, também sejam geradas agendas com futuras licitações de espectro que permitam às operadoras ter previsibilidade nos seus investimentos e na instalação de novas redes de telecomunicações.

No mesmo sentido, é importante que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que existem na implantação da infraestrutura de telecomunicações. A implantação de antenas de serviço móvel é tão importante quanto o desenvolvimento de fibra óptica, ambas as tecnologias são complementares pois permitem conectar a população para a entrada na revolução digital.

Nesse contexto, é necessário que as autoridades desenvolvam regulamentações que reúnam as demandas dos diferentes níveis do Estado. Também é importante que haja uma política de balcão único, reduzindo assim o tempo que leva para aprovar a instalação de uma rede de telecomunicações.

Em suma, a iniciativa da Universidade de Porto Rico de criar um aplicativo para atender aos idosos em tempos de pandemia é muito positiva. Porém, deve ser acompanhada de outras estratégias que buscam aumentar a conectividade no mercado para atingir um maior número de pessoas.