A principal lição da pandemia é que as telecomunicações são essenciais para o mundo

Entrevista com Pamela Gidi Subsecretária de Telecomunicações do Chile. Parte II

O avanço da pandemia da Covid-19 na América Latina forçou os países a melhorar as condições produtivas e de conectividade. Os governos da região estão trabalhando em diferentes setores para conseguir combinar produtividade e isolamento social da saúde até que uma vacina permita um horizonte mais definido.

Sobre as medidas realizadas no Chile para enfrentar a pandemia, o Brecha Zero conversou com Pamela Gidi, Subsecretária de Telecomunicações do Chile. Graduada em Engenharia de Negócios pela Universidad Católica do Chile, também possui MBA pela University of California Los Angeles (UCLA) e pela London Business School (LBS). Anteriormente trabalhou por 8 anos na DirecTV, onde atuou pela primeira vez no Chile como Diretora de Marketing, Produto e Relações Públicas, e depois foi promovida a Vice-presidente da DirecTV América Latina (AT&T) em Nova York, sendo responsável pela estratégia digital e comercial de nove Países da América Latina.

Gidi também possui 25 anos de experiência de trabalho nos Estados Unidos, Europa e América Latina, tendo atuado em cargos executivos em empresas multinacionais como Unilever, Hasbro, Ford Motor Company, JC Penny Company e The Walt Disney Company.

Brecha Zero: Quais setores (saúde, educação, governo, agricultura, trabalho, etc.) melhor se adaptaram no uso das TIC para enfrentar o isolamento social?

Pamela Gidi: Todos os setores tiveram que fazer um esforço significativo para se adaptar ao teletrabalho, tanto privado quanto público. De fato, com a SUBTEL, tivemos que modificar nossa forma de trabalhar nos mais rígidos períodos de quarentena, mas sem perder o foco em continuar realizando nosso trabalho diário em benefício dos usuários dos serviços de telecomunicações. Da mesma forma, outros órgãos do Estado e o setor privado tiveram que enfrentar esta difícil fase.

Sem dúvida, a futura rede 5G irá melhorar as condições para atividades remotas. Na verdade, um estudo da SUBTEL e da Deloitte observou que 75% dos chilenos acreditam que a 5G facilitará o trabalho remoto. Além disso, o relatório revela que o impacto esperado pela 5G no uso pelos entrevistados é liderado pelas atividades atuais da Internet móvel, seguidas por atividades impulsionadas pela crise de saúde resultante da pandemia de COVID-19. Desta forma, 43% dos chilenos consideram que a 5G pode mudar a forma como suas tarefas são realizadas, seguido da maneira como realizam o seu trabalho (34%) e a forma de como fazem compras (32%). Por outro lado, apenas 10% deles visualizam possíveis mudanças na questão de deslocamento.

Brecha Zero: Quais são os desafios a serem enfrentados nacionalmente para melhorar as condições de conectividade dos habitantes?

Pamela Gidi: A pandemia destacou os problemas de conectividade em certas áreas geográficas do país, principalmente em áreas extremas ou longe dos centros urbanos. Para nós, reguladores, não é uma questão nova e, desde que assumimos o desafio de liderar a SUBTEL, estamos promovendo projetos que nos permitam levar a conectividade de alta velocidade, como o projeto Nacional de Fibra Óptica, que conectará 186 comunidades do país, e o projeto Fibra Óptica Austral, que conectará diferentes localidades das três regiões mais ao sul do país, que historicamente apresentam problemas de acesso à conectividade.

Também tivemos um desafio de auditoria, que nos permitiu garantir que usuários de diferentes empresas pudessem acessar os serviços contratados durante a pandemia. Coletamos reclamações, fiscalizamos canais de atendimento remoto, solicitamos informações de empresas, entre outras ações, e ajuizamos ações contra empresas que apresentaram não conformidades.

Além disso, o Congresso Nacional lançou em junho o projeto Roaming Nacional Automático, que estabelece a obrigação das empresas de telecomunicações compartilharem suas redes para ampliar a conectividade de milhares de cidadãos que hoje vivem em áreas isoladas e / ou rurais. Dessa forma, a iniciativa facilitará o acesso aos serviços de voz, mensagem de dados e internet móvel para usuários de cerca de 3.200 localidades de todo o país que hoje possuem conexão precária.

Brecha Zero: Que lições você pode mencionar geradas pela pandemia até agora?

Pamela Gidi: A principal lição é que as telecomunicações são essenciais para o mundo. Graças aos diferentes serviços, as pessoas puderam se conectar em tempos muito difíceis. Mas também serviram para permitir teletrabalho, educação online, consultas médicas por meio da telemedicina, serviços de entrega, permitiu a simplificação da vida face à crise que vivíamos. Por isso é importante continuar promovendo nossos projetos de conectividade, desenvolver a próxima rede 5G e estimular todas as instâncias e projetos que nos permitam oferecer aos usuários maior e melhor conectividade.