A mobilidade se consolida como primeiro escalão de atenção de saúde na Guatemala

A inclusão da conectividade serve para potencializar diferentes setores em suas atividades. Não apenas na relação com a produtividade, mas com a capacidade de melhorar as condições de vida da população. Neste sentido, os acessos habilitados por redes sem fio são opções importantes para potencializar os serviços de saúde.

Na Guatemala, desenvolveu-se um projeto de telemedicina em Alta Verapaz denominado Telefacilitador, no qual participam a Organização Comunitária, o Distrito de Saúde, a Prestadora de Serviços e de Saúde e a TulaSalud (entidade relacionada com a Agência Canadense de Desenvolvimento Internacional). Por meio da iniciativa, promoveu-se atenção básica em saúde, em particular para a capacitação e cuidados da mulher no acompanhamento durante a gravidez, parto, puerpério e monitoramento do estado nutricional do bebê. Isso, sem negligenciar o cuidado da doença comum na população em geral.

No primeiro nível de atenção, o Telefacilitador tornou-se um membro da comunidade com conhecimentos básicos em saúde que atende os cidadãos em uma área de cobertura constituída por um centro comunitário (Sede ou domicilio do Telefacilitador), e comunidades satélites localizadas a 1 hora em média de distância percorridas a pé. Estas áreas são eleitas a partir da extensão de cobertura, dos fatores de riscos, do acesso geográfico, da cobertura telefônica e da organização comunitária.

Assim, cada telefacilitador pode proporcionar para a população a atenção básica em saúde. Além de contar com uma equipe médica especializada em cirurgia que os auxilie, e também possui um kit com medicamentos básicos. Assim, pode realizar palestras educativas e visitas domiciliares às grávidas, crianças com algum grau de desnutrição e dar sequência ao atendimento de pacientes que já foram atendidos em centros de saúde.

Para poder fazer a comunicação, o programa estipula que cada telefacilitador conte com um dispositivo móvel que possa realizar chamadas ilimitadas dentro da rede de telemedicina. Neste sentido, o telefone móvel torna-se uma ferramenta fundamental para melhorar o acesso da comunidade aos serviços de saúde. Por suas características permite reduzir as distâncias e os prazos, otimizando então os recursos.

Assim, os serviços móveis contribuem também para a capacitação dos telefacilitadores, que podem também acessar cursos à distância. Cada um destes funcionários recebeu um equipamento de áudio que têm uma interface para se conectar ao telefone celular, estabelecendo comunicação em dobro e tornando possível a participação de membros da comunidade ao fomentar o autocuidado da saúde.

Por sua vez, o segundo nível de atenção do programa busca fortalecer a equipe médica, paramédicos e de serviços por meio da educação à distância. Para isto, dota-se de computadores diferentes distritos, com conectividade e telefones móveis com chamadas ilimitadas dentro da rede. Além disso, pode-se realizar consultas por meio de videoconferência para poder ter acesso à uma segunda opinião, contatar especialistas ou participar de diferentes fóruns médicos.

O terceiro nível do projeto se desenvolve no Hospital Regional de Cobán, onde acontece o programa Educação Médica Contínua. Ali, TulaSalud outorgou um equipamento audiovisual para o desenvolvimento de atividades científicas, por meio do qual se transmite aos diferentes distritos o projeto de telemedicina. Assim, busca-se fortalecer o Módulo de Atenção Indígena, para o qual é fundamental o uso de telefones móveis. Através destes dispositivos se facilita a informação do estado de diferentes pacientes aos membros de sua comunidade de origem e familiares.

A integração de serviços e a conectividade móvel permite aumentar o alcance do sistema de saúde da Guatemala, incorporando benefícios aos setores rurais e distantes dos centros urbanos. Para que esta iniciativa tenha benefícios é fundamental que existam no mercado serviços móveis com grande cobertura, assim como também que possam contar com a capacidade de oferecer altas velocidades de conectividade e download de dados.

Neste cenário, é essencial que as autoridades da Guatemala gerem condições adequadas para o desenvolvimento de serviços de banda larga móvel. Para isto, é importante que se facilite a indústria e o acesso ao espectro radioelétrico destinado a este tipo de serviço. Ou seja, que as políticas busquem entregar maior quantidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel e que tenham repercussão positiva neste tipo de programas de saúde.

Por sua vez, é também necessário que se reduzam as travas burocráticas que existem sobre a implementação de redes de telecomunicações. Medidas deste tipo beneficiam o desenvolvimento de conectividade e incentivam a indústria a aumentar suas coberturas de serviços, beneficiando dessa forma as regiões localizadas em áreas rurais.

É também importante que as autoridades tomem nota das oportunidades que são geradas a partir da redução da carga tributária imposta no que correspondem aos componentes de redes de telecomunicações e terminais de acesso. Em particular, para estes programas que utilizam terminais móveis, já que os torna mais acessíveis e aumenta sua penetração na população, que se beneficia com seu uso.

Como pode-se observar, a iniciativa de telessaúde desenvolvida na Guatemala aponta para um aumento da inclusão de uma grande porção da população no sistema de saúde. Embora seja alavancada por políticas que busquem aumentar o crescimento das redes móveis ao longo do país.

0 comments on “A mobilidade se consolida como primeiro escalão de atenção de saúde na Guatemala

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.