A maioria dos Produtores rurais do Brasil utilizam tecnologia móvel

O uso da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) possibilita o desenvolvimento de diferentes setores da economia. A agricultura não é alheia a esta situação, são múltiplas as aplicações tecnológicas que permitem o seu desenvolvimento e estão diretamente ligados a melhoria da produtividade desta atividade, uma das mais importantes da América Latina.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil,  94% dos produtores do setor possuem telefone celular. O ministério destaca que 68% desse total usam smartphones para se comunicar.

No entanto, segundo estudo do ministério em parceria com a Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz Queiroz), da USP, apenas 23% do território agrícola brasileiro possui algum tipo de conexão por meio de redes 2G, 3G, 4G ou 5G.

Embora, segundo a Anatel, 89,2% da população brasileira tenha acesso a rede 4G, essa distribuição não é uniforme entre as 12 mil localidades que têm cobertura de serviço móvel. Por esse motivo, a agência reguladora planeja utilizar a faixa do espectro de 700 MHz para levar conectividade às áreas rurais e, assim, beneficiar os trabalhadores do setor.

Com o desenvolvimento da 5G, é esperado uma maior disponibilidade no número de ferramentas de conectividade para o setor, uma vez que essas novas redes são projetadas para atender a uma densidade maior de conexões da ordem de mais de 1 milhão de dispositivos conectados por quilômetro quadrado. Essas novas capacidades das redes 5G permitiriam o desenvolvimento da Internet das Coisas (IoT) para serem utilizadas nas atividades produtivas.

Segundo o Ministério da Agricultura do Brasil, um aumento de 25% na conectividade no campo exigiria, ao longo de dois anos, a instalação de 4.400 torres. Esse investimento resultaria em um aumento de 6,3% do valor bruto da produção agrícola do país. Ao mesmo tempo, o aumento da conectividade em 80% ou 90% forçaria a indústria a implantar 15.800 torres e aumentaria a produção agrícola local em 10,2%.

Nesse sentido, a incorporação das redes 4G e 5G se apresenta como um fator de crescimento do setor. A incorporação de diferentes sensores relacionados à atividade melhoraria os níveis de produção por meio da otimização dos recursos necessários à agricultura no Brasil. Esse desenvolvimento permitirá que a indústria melhore sua produtividade e alcance uma maior taxa de desenvolvimento, o que se traduzirá em maior crescimento econômico e possibilidade de aumento da participação no mercado global.

Para potencializar todas essas possibilidades, é imprescindível que existam políticas que apoiem ​​o desenvolvimento de redes de telecomunicações em áreas rurais e remotas, visto que os planos buscam reduzir os entraves burocráticos nas autorizações de infraestrutura de rede. Nesse sentido, a existência de uma norma modelo para os diferentes municípios, tal como existe no Brasil, é importante para estimular o desenvolvimento de redes.

Por outro lado, é necessário que as autoridades brasileiras disponibilizem porções maiores do espectro de rádio para o setor de telecomunicações. Uma agenda com futuros leilões de espectro que permita um planejamento mais eficiente do desenvolvimento das redes por parte das operadoras.

A adoção do serviço móvel por parte significativa dos produtores agrícolas brasileiros é importante para o avanço do setor. No entanto, deve contar com esforços conjuntos por parte das autoridades para estimular a adoção de serviços móveis a fim de melhorar as condições produtivas do setor.