A Jamaica adquiere dispositivos tecnológicos para entregar para escolas e professores

A combinação do setor educacional com as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) são parte de uma estratégia fundamental das diferentes administrações da América Latina. Essas políticas fazem parte de estratégias com abrangência nacional que buscam melhorar as condições de entrada na nova economia digital global.

Nesse sentido, o governo da Jamaica anunciou a compra de 40 mil tablets para estudantes e 25 mil dispositivos para professores. Essa decisão foi promovida pela Diretoria Executiva de e-learning jamaicana, no âmbito do projeto Tablets in Schools (tablets nas escolas).

A estratégia de digitalização na educação entrará em uma nova fase na Jamaica, que começará a partir do ano fiscal 2020/2021. A iniciativa atual prevê que as escolas tenham locais específicos para recarregar tablets. Sendo assim, os dispositivos permanecerão dentro das instituições de ensino, para que possam ser recarregados.

Outra medida para garantir a operação do projeto é o fornecimento de servidores dentro das escolas, com o objetivo de dar continuidade a atividade pedagógica quando houver problemas de conectividade com a Internet. Dessa forma, os professores podem manter as aulas com conteúdo hospedado nos servidores da escola até que o serviço seja restaurado.

O objetivo das autoridades jamaicanas é distribuir os dispositivos nas escolas nos próximos 15 meses. Contudo a situação de pandemia gerada pelo COVID-19 levou as autoridades desse país a acelerar os processos de entrega desses dispositivos. Nesse sentido, a entrega dos 25 mil tablets para professores começou a ser mais célere, motivo pelo qual a entrega dos terminais está sendo coordenada com fornecedores internacionais.

De acordo com as autoridades, a estratégia de e-learning do país é de longo prazo, por isso inclui a atualização e a manutenção dos tablets fornecidos para alunos e professores. Da mesma forma, será incluso, além de outros serviços,  cursos a distância para melhor preparar o corpo docente na implementação da iniciativa. Para isso, contará com a colaboração do Ministério da Educação, Juventude e Informação.

O e-learning da Jamaica fornecerá um conjuntos de aulas compartilhadas. Dessa forma, será fornecido um tablet a cada três alunos durante o projeto, e as escolas os tratarão como recursos compartilhados, como uma sala de informática. Dessa maneira, buscam aumentar a inclusão digital no país, concentrando-se principalmente nas futuras gerações.

No entanto, é importante que essas iniciativas venham acompanhadas por outras que busquem aumentar a conectividade no mercado. Em outras palavras, é preciso oferecer a oportunidade para que mais jovens tenham acesso aos benefícios da educação a distância, o que também depende da existência de meios para que essa população possa se conectar.

Nesse sentido, é importante que as autoridades jamaicanas trabalhem na disponibilidade do espectro de rádio para serviços de acesso à banda larga móvel. Assim como na criação de uma agenda com futuras licitações de espectro que permita à indústria ter alguma previsibilidade ao planejar o desenvolvimento de suas redes.

O desenvolvimento de redes LTE e, em um futuro próximo, a 5G, oferecerá aos cidadãos uma ampla cobertura. Essas redes oferecem uma oportunidade para que as escolas permaneçam conectadas. Devido às suas próprias características, são ideais para a conexão de áreas distantes dos centros urbanos.

Como é possível observar, a iniciativa de e-learning da Jamaica é um grande impulso que ajudará o país a avançar para um modelo de economia digital. No entanto, deve ser acompanhada por outras políticas que busquem aprimorar a conectividade no mercado.