A inclusão digital na Colômbia como caminho para a paz

O processo de paz na Colômbia já tem mais de quatro anos de negociação entre o Governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Com mais de 52 anos de conflito, esse país mantem o debate na busca por um caminho de tranquilidade social, o que possibilitará melhorar outros aspectos de vida para as áreas afetadas por este conflito.

Entre os desafios que o governo deve enfrentar está o aumento da chegada das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em áreas onde o conflito impedia a presença do Estado. Assim, as áreas que foram mais afetadas pela guerra no país, são prioridades emergenciais do  Ministerio de Tecnologías de la Información y las Comunicaciones (MinTIC).

O início desta estratégia é a criação de um programa de alfabetização digital que o MinTIC realiza para 50 mil vítimas do conflito armado.  Esta iniciativa é realizada no âmbito da Estratégia de Cidadania Digital para a Paz, onde são ressaltados: uso básico do computador, Internet, redes sociais, utilização segura das TIC, entre outros. O objetivo é aumentar as oportunidades de pessoas dessas áreas por meio do uso e da apropriação da tecnologia.

Ainda assim, a iniciativa permite que mais de 500 pessoas beneficiadas vinculem formalmente um emprego à unidades produtivas. Para pode articular este projeto em vários dos departamentos do país, o MinTIC recorrerá à Pontos e quiosques do Vive Digital e Vivelabs. Dessa forma, serão instaladas 310 soluções fotovoltaicas, que incluem painéis solares em instituições educativas de zonas rurais de 10 departamentos do país (no Amazonas, Cesar, Chocó, Guanía, La Guajira, Magdalena, Vaupés, Vichada, Putumayo e Narino). Estas serão as escolas beneficiadas, o que contribuirá significativamente para melhorar a qualidade de ensino através da utilização das TIC.

Cabe destacar que o punto vive digital plus é uma iniciativa do Ministério das TIC que tem como objetivo promover o uso e aproveitamento das TIC por meio da disposição de acesso comunitário às zonas funcionais para o uso da Internet, entretenimento, capacitação e trâmites de governo em linha. Uma função similar tem os Kioscos Vive Digital, que são pontos de acesso à TIC em centros comunitários presentes em 5.524 zonas rurais com mais de 100 habitantes, localizados nas áreas mais distantes da Colômbia.

Por sua vez, os Vivelabs são laboratórios de inovação dos cidadãos que buscam promover e criar de forma colaborativa projetos de alto impacto social. São locais onde são oferecidas ferramentas para que os habitantes percebam suas iniciativas e ao mesmo tempo aprendam, experimentem, conectem-se e criem. Ou seja, oferecer facilidades para desenvolvimentos diferentes baseados no uso das TIC.

Nos espaços do “Puntos y Kioskos” funcionará também os “Puntos de Paz”. Trata-se de uma estratégia desenvolvida desde 2016 que busca que os “Kioscos Vive Digital” instalados em áreas rurais convertam-se em construções de paz, somando-se às jornadas de pedagogia sobre os acordos que vem sendo realizados nacionalmente com o objetivo de que estas comunidades possam conhecer e conversar a respeito dos acordos do processo de paz.  Além disso, como atividade complementar, a “Dirección de Archivo de los Derechos Humanos” (DADDHH) do “Centro Nacional de Memoria Histórica” (CNMH) acompanha a jornada, para apresentar aos gestores as ferramentas desenvolvidas para acessar o arquivo virtual de conteúdos sobre verdade, justiça e reparação, como contribuição à reparação simbólica e dignidade das vítimas do conflito armado colombiano.

Para que este tipo de iniciativa seja bem recebida pela população é importante que exista uma conectividade adequada. Dessa forma, não somente realiza-se uma tarefa educativa dentro dos pontos selecionados a nível governamental, mas também se oferece a possibilidade ao usuário de experimentar por sua própria conta as diferentes possibilidades que oferecem as TIC.

Neste cenário, os serviços de banda larga móvel e em especial LTE marcam uma forte oportunidade para aumentar a conectividade. Particularmente em áreas rurais onde o cabeamento é mais complicado e requer mais investimentos com retornos mais lentos. Assim, os serviços 4G podem ser um suporte interessante não para os quiosques ou pontos digitais, mas também para os cidadãos para aumentar a sua experiência quando se trata de conectividade. No primeiro trimestre de 2016, a penetração da LTE no mercado móvel da Colômbia alcançou 10,27% da população, de acordo com a 5G o Índice 5G Americas de Penetração na América Latina.

Sendo assim, é importante que este tipo de estratégia inclusiva esteja acompanhado por outras que tendem a aumentar a presença das TIC no mercado. Principalmente a conectividade. Assim reforça-se a necessidade de políticas que tendem a aumentar a quantidade de espectro radioelétrico disponível para as operadoras móveis, para que possam desenvolver novas tecnologias que possibilitem uma maior velocidade de acesso à banda larga.

Concluindo, as políticas que o governo da Colômbia realizou utilizando as TIC como ferramenta não somente de pacificação, mas também de integração das comunidades, são de grande importância no processo de paz que enfrenta. A tecnologia possibilita não somente um ponto de encontro, mas também um lugar para informar a população sobre os diferentes avanços alcançados em relação ao conflito.

0 comments on “A inclusão digital na Colômbia como caminho para a paz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *