A Guiana trabalha na aplicação das TIC na agricultura

Envolver os diversos setores é um trabalho que deve ser realizado pelos mercados que buscam ingressar na economia digital. A agricultura é um dos setores mais importantes dos diferentes mercados que compõem a América Latina e o Caribe.

Nesse sentido, a Comissão de Topografia e Terras da Guiana (GLSC) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciaram que estão trabalhando em conjunto na cartografia e topografia aérea em todo o país utilizando tecnologias LIDAR. A tecnologia permite o mapeamento aéreo das áreas propícias para a realização da atividade.

Esse estudo é feito com uma aeronave que levará sensores e câmeras para fazer o mapeamento, bem como a topografia detalhada e de alta precisão da superfície terrestre nas regiões selecionadas. Os dados coletados serão processados ​​para produzir modelos digitais do terreno e imagens de mapas que possibilitem analisar infraestrutura, recursos hídricos e modelos de construção em 3D. Em seguida, eles serão inseridos nos mapas nacionais, cuja última atualização é de 50 anos atrás. Desta forma, serão registrados mais de 500 km2 da área urbanizada (quase toda a região urbana da Guiana) e mais de 15 mil km2 da área rural.

Com base nesses avanços, espera-se melhorar o mapeamento topográfico que o país possui. Desta maneira, para a FAO, esse é um esforço crucial para transformar e gerir a administração da terra. A iniciativa faz parte do projeto de Desenvolvimento e Manejo Sustentável do Solo, que busca o avanço tecnológico neste segmento.

Embora esta iniciativa represente uma evolução na implementação das TIC no setor agro, ela deve ser acompanhada de outras que promovam a melhoria da produtividade do setor a partir de uma maior digitalização. Existem diferentes exemplos de aplicação de tecnologia a este setor em nível regional, desde projetos simples e básicos para pequenos produtores, até sofisticados que incluem a Internet das Coisas (IoT) em grandes empresas.

Para que essas iniciativas façam sentido, é importante trabalhar no desenvolvimento e crescimento da banda larga móvel. Tecnologias como a LTE e a 5G se apresentam como uma oportunidade para dar suporte a serviços que podem melhorar a produtividade de um setor que se desenvolve principalmente em áreas rurais e distantes dos grandes centros urbanos.

Nesse sentido, é imprescindível realizar políticas que disponibilizam maiores porções do espectro radioelétrico para a indústria de telecomunicações. Tecnologias como a 5G exigem bandas baixas, médias e altas para funcionar com eficiência. Também é importante criar agendas com as futuras licitações de espectro que possibilitem o planejamento de investimentos a longo prazo.

Na mesma linha, é fundamental trabalhar na redução dos entraves burocráticos que pesam na instalação de redes de banda larga móvel. É necessário desenvolver políticas que procurem simplificar a estrutura legal com que se deparam as operadoras sempre que pretendem implantar novas redes de telecomunicações. Assim como deve haver a geração do conceito de janela única de trâmites que simplifica a relação das operadoras com as autoridades de cada um dos países.

Como pode ser visto, as iniciativas realizadas pelo governo da Guiana são positivas para o desenvolvimento da digitalização na agricultura. No entanto, devem ser aumentados os esforços para a inclusão de melhores serviços que permitam ao setor utilizar os novos processos produtivos realizados pela agricultura em nível global.