A Colômbia forma mais de 25 mil jovens em programação

Os países latino-americanos buscam o desenvolvimento de uma economia que inclua serviços digitais para acompanhar a revolução tecnológica mundial. A formação da população deve estar entre os objetivos primordiais para manter o mercado competitivo.

Nesse sentido, o Ministério de Tecnologias de Informação e Comunicação (MINTIC) anunciou a implantação do programa TIC Missão 2022 que buscará capacitar 25.041 pessoas em programação através da Universidade de Antioquia, Universidade de Caldas, Universidade Tecnológica de Pereira, Universidade Industrial de Santander e Universidade Nacional. É um plano nacional que visa certificar 100 mil pessoas nesta área para enfrentar os desafios da quarta revolução industrial.

Até março de 2022, o programa permitiu que 59.995 colombianos iniciassem sua formação em programação: 11.837 na ‘Ruta 1’ e 48.158 na ‘Ruta 2’. Do total, 45.382 já receberam certificado de treinamento. Essa estratégia se completa com o planejamento de emprego do MINTIC para os beneficiários, que permitiu a contratação de 555 egressos do programa em mais de 300 empresas até o momento.

As Universidades realizaram esse investimento esperando que os colombianos desenvolvam habilidades socioemocionais básicas e específicas, além de fortalecer as já existentes que permitam a inserção dos beneficiários no mercado da indústria de TIC. A estas competências somam-se os conhecimentos de programação para garantir melhores condições no setor.

Nesse cenário, a Universidade Tecnológica de Pereira, a Universidade Industrial de Santander, a Universidade Nacional e a Universidade de Antioquia capacitarão 4.895 pessoas, (19.580 no total), em programação. Enquanto isso, a Universidade de Caldas vai formar 5.461 pessoas.

Os inscritos nestas IES públicas são os admitidos na Rota de Aprendizagem 2, ou seja, cidadãos colombianos maiores de 15 anos com bacharelado, que completaram um ciclo básico de formação (programação básica, fundamentos de programação e desenvolvimento de software) e um ciclo de especialização (desenvolvimento de aplicativos web ou desenvolvimento de aplicativos móveis).

Assim, cada universidade fornecerá apoio acadêmico, técnico e psicossocial permanente aos alunos. A formação desenvolve-se em 800 horas de trabalho síncrono e assíncrono durante os quatro ciclos estruturados: 480 horas correspondem a trabalhos individuais em que terão espaços para tutorias e apoio técnico; 100 horas de treinamento em inglês; 20 horas de trabalho em competências pessoais (coaching) e 200 horas de sessões síncronas orientadas por um profissional específico.

Para alavancar essas iniciativas, é necessário que os programadores contem com um mercado interno onde possam se desenvolver, ou seja, é importante que o governo crie condições para que essas empresas possam oferecer serviços a um grande número de pessoas que por sua vez possibilitariam o crescimento do mercado, beneficiando também os novos programadores.

Nesse sentido, é importante que as autoridades estimulem o desenvolvimento de serviços de banda larga móvel. Particularmente por meio de tecnologias como LTE e 5G que, por suas características, permitem que um grande número de usuários tenha acesso a altas velocidades de dados. Da mesma forma, o desenvolvimento da nova revolução produtiva baseada na digitalização da economia exigirá um mercado 5G maduro.

Para alcançar esses objetivos, é importante que porções maiores do espectro de rádio sejam disponibilizadas às operadoras móveis para que essas redes possam ser implantadas. Também é necessário reduzir os entraves burocráticos que pesam sobre a indústria na implantação de redes de telecomunicações.

Como pode ser visto, a iniciativa MINTIC é importante para o desenvolvimento da economia digital na Colômbia. No entanto, deve ser acompanhada de outras políticas que busquem ampliar o acesso à banda larga móvel no mercado.