A Argentina trabalha para garantir conectividade a estudantes de bairros vulneráveis

O aumento da digitalização das nações latino-americanas tem a educação como uma das principais áreas de interesse, é o primeiro passo na incorporação da tecnologia ao cotidiano das pessoas. Por isso, as iniciativas colocadas em prática pelas autoridades, no setor da educação, são importantes.

Na Argentina, a Ente Nacional de Comunicaciones (ENACOM) a cargo da implementação do “Programa Emergencial para Garantir o Acesso aos Serviços de TIC para Habitantes de Bairros Populares no Marco da Pandemia de Covid-19”, entregou 40 mil cartões de telefonia pré-paga a diferentes municípios da província de Buenos Aires.

Este programa teve início durante a pandemia de Covid-19, considerando a urgência da conectividade presente no dia a dia dos jovens que tiveram que aderir ao isolamento social. Assim, o objetivo é garantir o acesso à comunicação nos setores de maior vulnerabilidade socioeconômica.

A continuidade dessa estratégia levou à distribuição de cartões nos municípios de Berazategui, Pilar, San Andrés de Giles, General Rodríguez, San Fernando, Escobar, Malvinas Argentinas, Merlo e Almirante Brown, em sua maioria pertencentes ou limítrofes à Cidade Autônoma de Buenos Aires (AMBA, em espanhol). Lá, foram entregues 40 mil cartões para garantir o acesso aos serviços TIC.

O objetivo da entrega desses cartões era facilitar o acesso à Internet em bairros populares durante a pandemia provocada pela COVID-19. Desta forma os habitantes puderam manter suas atividades educacionais, mas também lhes permitiu dar continuidade a atividades de trabalho remoto.

Dessa forma, a ENACOM busca oferecer conectividade aos bairros populares por meio do programa, com o intuito de aumentar os direitos dos moradores de se conectarem, ajudando principalmente os bairros mais vulneráveis.

Esta iniciativa teve início em maio de 2020 na Villa Azul, localizada na divisa dos bairros Avellaneda e Quilmes, a sul da AMBA, que foi um dos primeiros bairros obrigados a realizar um isolamento social rigoroso. Lá foram distribuídos diversos cartões telefônicos com saldos pré-carregados para que os moradores pudessem manter contato com seus familiares.

Essa prática se espalhou ao longo do tempo para diferentes bairros vulneráveis, atendendo à grande demanda de comunicação existente nesses locais. O objetivo da ENACOM foi aproximar as ferramentas de conectividade para garantir que os setores que mais precisam possam continuar trabalhando, estudando e se comunicando à distância.

Em meados de 2021, esse programa consumiu cerca de 70% de seu orçamento, o que representa 153.521 cartões entregues. Nesse sentido, buscou-se garantir igualdade e acesso às novas tecnologias para um maior número de pessoas.

Essa iniciativa se apresenta como uma alternativa positiva para aumentar a inclusão digital no país. No entanto, é importante que venha acompanhada de outras políticas que visem aumentar o acesso à banda larga, nomeadamente através dos serviços móveis que, pelas suas características, abrangem uma parcela maior da população.

Tecnologias como a LTE, e no futuro a 5G, apresentam-se como grandes oportunidades para aumentar o acesso à banda larga, uma vez que garante velocidades e acesso de dados robustos. Para estimular seu desenvolvimento, é essencial que as autoridades disponibilizem porções maiores do espectro de rádio para o setor de telecomunicações. Bem como a geração de uma agenda com futuras licitações, para que os operadores possam planejar o desenvolvimento das redes de forma eficiente.

Em suma, a iniciativa do ENACOM é importante para garantir que bairros vulneráveis ​​contem com acesso à banda larga móvel. Mas deve ser acompanhada de outras políticas que busquem incrementar o desenvolvimento desse tipo de serviço.