5G será uma tecnologia disruptiva

Entrevista com Francisco Moreno, Subsecretário de Telecomunicações do Chile

O desenvolvimento dos serviços 5G é uma meta que muitos países latino-americanos buscam para avançar na digitalização de suas sociedades. A oportunidade de modernizar seus setores produtivos por meio da conectividade e incorporar novas tecnologias é um objetivo comum para a grande maioria dos mercados.

Francisco Moreno, Subsecretário de Telecomunicações do Chile

Sobre o progresso alcançado no Chile, Brecha Zero conversou com Francisco Moreno, que é o Subsecretário de Telecomunicações. Advogado formado pela Pontificia Universidad Católica do Chile, possui mestrado em Direito pela University of California at Berkeley (Estados Unidos), assumiu o cargo em 9 de junho de 2021, anteriormente atuou como Subsecretário da Fazenda entre março de 2018 e novembro de 2020, entre 2010 e 2014 foi chefe de gabinete do ministro no Ministério do Planejamento (hoje Ministério do Desenvolvimento Social e Família) e posteriormente Coordenador Legislativo do Ministério da Fazenda.

Brecha Zero: Quais oportunidades as TICs apresentam para ajudar as economias da região na retomada pós-pandemia? Qual a importância das tecnologias relacionadas à conectividade diante da realidade que surge na pós-pandemia?

Francisco Moreno: A geração de novas tecnologias constitui, sem dúvida, um motor relevante na vida das pessoas. Nesse sentido, a implementação da 5G trará grandes benefícios para todas as pessoas do nosso país. Na prática, os usuários poderão receber atendimento via telemedicina com diagnóstico em tempo real sem ter que percorrer quilômetros para comparecer a uma consulta médica e as PMEs e empresas (de diferentes portes) poderão melhorar sua produtividade graças à automação de processos, entre outras aplicações. A tecnologia 5G nos oferecerá um mundo de possibilidades e uma infinidade de melhorias para os diferentes atores de nosso ecossistema digital.

Além disso, a 5G será um reativador de economias em todo o mundo e nosso país não será exceção. O impacto econômico que a quinta geração de tecnologia móvel terá nas economias não tem precedentes. De acordo com um estudo da consultoria OMDIA, no longo prazo a 5G vai gerar um impacto econômico de US$ 207 bilhões no Chile até o ano 2035, distribuído entre diversos setores em que se destacam as tecnologias de informação e comunicação (TIC) com US$ 41 bilhões milhões, serviços com US$ 39 bilhões, manufatura com US $ 29 bilhões, mineração com US$ 23 bilhões, construção com US$ 15 bilhões e comércio com US$ 10 bilhões.

Brecha Zero: Quais indústrias verticais você acha que terão melhor adaptação ao novo cenário global que combina conectividade e produção?

Francisco Moreno: A 5G será uma tecnologia transformadora que mudará nosso ambiente. Suas características essenciais, como menor latência e maior capacidade de transmissão de dados, farão com que o desenvolvimento de diferentes aplicativos e soluções para empresas de diversos portes e o desenvolvimento de empreendimentos digitais seja generalizado.

A 5G não será apenas uma rede móvel de alta velocidade, mas também contribuirá para a transformação de muitas indústrias verticais, como fábricas inteligentes, mineração digital, agricultura inteligente, entretenimento, jogos, energia, entre outras. A 5G permitirá o desenvolvimento dessas indústrias verticais devido, entre outras coisas, ao elevado número de dispositivos conectados tanto em residências quanto em infraestrutura inteligente. Desenvolvemos diferentes pilotos 5G em diferentes setores: mineração inteligente com a Codelco, telemedicina no CESFAM Esteban Gumucio na comuna de La Granja, o primeiro piloto de Inteligência e 5G por câmeras de controle de tráfego na Unidade Operacional de Controle de Tráfego, um local para a detecção de gases tóxicos em operações de mineração, entre outros, nos quais se refletiu a grande contribuição que a 5G trará para os setores produtivos do país.

Brecha Zero: Até que ponto os serviços móveis influenciam a recuperação econômica dos países em face da pós-pandemia?

Francisco Moreno: Todo o ecossistema de telecomunicações influenciará a recuperação econômica pós-pandêmica. No caso da 5G, essa nova tecnologia móvel será um meio eficaz para a criação de milhares de startups que se beneficiarão com essa nova rede, transformando-a em um pilar fundamental da economia digital 4.0 e das empresas do futuro. Atualmente, cerca de 89% das conexões de Internet são feitas a partir de um dispositivo móvel, demonstrando a existência de um ecossistema digital desenvolvido e competitivo que marcará o avanço de novas indústrias tecnológicas como Cloud, Big Data e Machine Learning.

Nessa linha, a 5G terá impacto no investimento, como ocorreu entre 2015 e 2019, após o início da implantação da 4G. Nessa etapa, o setor de telecomunicações investiu US$ 4 bilhões. A receita do setor móvel deve ter ultrapassado US$ 4 bilhões só no ano passado. Diante do exposto, as perspectivas setoriais são muito positivas com o desenvolvimento de novos mercados que andam de mãos dadas com a 5G, principalmente em setores industriais como mineração, logística, energia e transporte.

Este é um setor altamente dinâmico em termos de criação de empregos. Nesse sentido, projetamos que a implantação da nova rede 5G gerará cerca de 68.000 empregos. Além disso, existem outros setores que irão se beneficiar indiretamente da dinâmica de implantação da indústria 5G, como a indústria de infraestrutura, que somente na implantação de antenas prevê um emprego adicional entre 2.500 a 3.000 pessoas.

Brecha Zero: Quais desafios a Subtel enfrentou para levar adiante o desenvolvimento da 5G no Chile durante a pandemia?

Francisco Moreno: Um dos maiores desafios foi a coordenação das equipes durante a pandemia, pois implicou uma mudança na modalidade de trabalho para todos, inserindo o teletrabalho como a nova forma de realizarmos nosso trabalho. Da mesma forma, após um ótimo trabalho, conseguimos realizar a licitação pública de bandas para implantação de tecnologia 5G que conseguiu arrecadar US$ 453 milhões para o Estado do Chile.

Atualmente, aguardamos que a Controladoria-Geral da República tenha em conta os respectivos decretos de concessão das primeiras antenas 5G a serem implantadas em todo o país, permitindo posteriormente a implantação da respectiva oferta comercial.

Brecha Zero: Como você acha que as tecnologias 5G podem ajudar a melhorar as condições produtivas do país?

Francisco Moreno: A 5G terá impactos positivos em todos os setores, proporcionando um grande avanço na transformação digital do país e integrando as pessoas na revolução digital 4.0, o que permitirá que MPMEs, startups e diversos setores produtivos inovem e fortaleçam seu desenvolvimento com a massificação da Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Big Data, Machine Learning, entre outras novas tecnologias, que serão uma vantagem tecnológica fundamental para o desenvolvimento de melhores serviços de telecomunicações para nossos cidadãos e para a reativação econômica.

As projeções indicam que a tecnologia móvel de quinta geração gerará um aumento anual de 0,5% no PIB e a mais recente “Business Potential” da Ericsson estima que as receitas de digitalização em nosso país ficarão próximas de US$ 12,6 bilhões em 2030, onde cerca de 40% desse valor corresponderá ao potencial de receita que a rede 5G gerará no Chile nos próximos nove anos.

Brecha Zero: Como a 5G mudará o modo de vida dos chilenos?

Francisco Moreno: A implantação dessa nova tecnologia no país trará uma série de benefícios para todos os cidadãos, que se refletirá no dia a dia das pessoas. Desta forma, a 5G nos dará uma série de facilidades em diferentes áreas, como, na área da saúde, nos permitirá contar com um diagnóstico remoto em tempo real, viveremos em cidades mais seguras que possam ter semáforos conectados e veículos autônomos. Contribuirá também na simplificação dos procedimentos de cidadania à distância e vai acelerar o desenvolvimento das empresas no país. A tecnologia 5G se tornará um pilar fundamental de nossa sociedade.