A redução da exclusão digital traz uma série de pontos importantes a considerar pelos diferentes governos da região. Entre elas, a exposição de menores a diferentes conteúdos que podem ferir sua sensibilidade, ou mesmo chegar a cair em redes de conteúdo para adultos ou de imagens impróprias para menores, por isso é importante que se tomem as medidas necessárias para evitar que isso aconteça.

Uma das primeiras medidas para combater esse tipo de problema é a realização de um diagnóstico que permite conhecer o alcance dos jovens e crianças à Internet, assim como também se são conscientes dos perigos que implica em seu uso não responsável. Neste sentido, no Paraguai, a UNICEF, em aliança com a ONG Global Infancia,  Enfoque Territorial e Secretaría Nacional de Tecnologías da Información e da comunicación (SENATICS),  realizou em 2016 uma pesquisa com adolescentes sobre situações de exploração sexual por meio das tecnologias.

Para avaliar esses comportamentos, implantou-se um questionário com 1076 adolescentes entre 11 e 17 anos. Estes jovens pertenciam a 20 instituições educativas da Cordilheira, Central, Capital e Caaguazú.

Entre os resultados, a pesquisa destacou que 76% das crianças acessam a Internet todos os dias ou quase todos os dias. Da mesma forma, 87% dos jovens acessam a rede através do seu próprio celular, enquanto 76% deles bate papo via whatsapp, Line, Telegrama ou outros aplicativos no celular.

A pesquisa também reforça que 64% dos jovens receberam alguma vez conteúdos pornográficos através do WhatsApp, sem buscá-los ou solicitá-los. Tanto que, 71% considera que seria muito grave que uma foto pessoal com conteúdo sexual deles corresse a rede, e recorreriam aos seus pais se uma situação desagradável ocorresse.

Por sua vez, a pesquisa serviu para apurar também que 2 de cada 10 adolescentes conversaram com um estranho nas redes sociais. Enquanto que 6 de cada 10 explicaram que chegaram a encontrar com um estranho que conheceram pelas redes sociais, e na realidade, tratou-se de uma pessoa que era quem dizia ser.

A este respeito é importante destacar que em 18% dos casos de encontros, a pessoa que mentiu sobre sua identidade nas redes sociais era um adulto que se passava por um adolescente. E 14% destas crianças disseram ter sido vítima de algum tipo de abuso.

De acordo com as conclusões que a UNICEF chegou depois de realizar as pesquisas é de que é melhor educar do que proibir. Para isto desenvolveu a campanha #LoDigitalEsReal, com a finalidade de conscientizar as crianças e as famílias sobre o uso das novas tecnologias e suas possíveis ameaças. O objetivo é educar os pais para que possam acompanhar seus filhos no momento de ingressar na Internet e fazer uso das redes sociais.

O relatório destaca que muitas vezes, para os adolescentes, não existe uma linha clara divisória entre o real e o virtual. Reforça que geralmente confundem os contatos com amizades reais, o que os expõe ao compartilhamento de aspectos de suas vidas privadas pelas redes sem terminar de medir o verdadeiro impacto que pode ter em sua vida real.

A iniciativa realizada pela UNICEF é importante do ponto de vista das famílias, crianças e adolescentes que têm acesso à banda larga, para poder prevenir qualquer perigo que possam ocorrer uma vez feito o uso indevido. É importante também que tanto o país, como a indústria apoie este tipo de iniciativa gerando consciência para os habitantes.

Este tipo de iniciativa é necessário para que exista um adequado uso da rede, prevendo qualquer inconveniente que possam ter os adolescentes e as crianças. Trata-se de um trabalho fundamental para conter a porção da população que têm acesso à rede, e ainda, o governo também tem que gerar as condições necessárias para poder incluir os demais cidadãos.

Para alcançar essas metas, é fundamental que as autoridades desenvolvam estratégias para melhorar as condições de desenvolvimento dos serviços de banda larga, em particular as móveis. Assim, é necessário que se comtemple uma política de alocação de espectro que permita à indústria o planejamento adequado para poder desenvolver este tipo de rede. Também se faz importante a redução das travas burocráticas para o desenvolvimento de redes de telecomunicações.

As iniciativas destinadas a gerar uma consciência de utilização da internet e rede sociais são positivas enquanto buscam reduzir os riscos para as crianças e adolescentes. Melhorar as condições de segurança para este grupo da sociedade é importante, como também é importante gerar condições de acesso para os habitantes que, por diferentes motivos, ainda não podem utilizar os serviços.