Entre os diferentes esforços que os governos da região estão fazendo para diminuir a exclusão digital está a implementação de programas para estimular a inovação entre os habitantes. Facilitar os empreendedores que compõem a população para o avanço de seus projetos relacionados às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) é um passo importante para a digitalização da economia.

Neste sentido, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) do Brasil desenvolveu o Programa Centelha, de Santa Catarina. O objetivo é estimular a criação de empreendimentos inovadores, para o qual outorgará cerca de R$ 1,68 milhão (US$ 433.477) provenientes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), em associação com a Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de Santa Catarina (Fapesc).

Assim, o projeto busca diferentes empreendedores em Santa Catarina que podem traduzir suas ideias para empresas inovadoras. O programa facilitará o financiamento para diversas startups nessa região do Brasil. Para isso, começarão com a análise de mil ideias iniciais que, por meio de um processo de seleção serão selecionadas 28 novas empresas que receberão recursos públicos. Assim, entre outros objetivos, o programa Centelha procura incentivar a mobilidade e a articulação institucional de diversos atores nos ecossistemas locais, estaduais e regionais.

O programa será executado de forma centralizada, por meio da articulação institucional e cooperação com órgãos e entidades de administração publica estadual que atuam nas áreas de ciência, tecnologia e inovação, com apoio técnico e financeiro do MCTIC e das agencias federais de fomento. Os principais benefícios oferecidos por programa são capacitações, recursos financeiros e suporte para ajudar empreendedores a transformar suas ideias em negócios de sucesso.

Inciativas deste tipo são importantes para estimular o uso da tecnologia em diversos setores produtivos. Assim como também prepara o mercado para uma nova ordem econômica mundial, onde as atitudes digitais são necessárias para avançar e se posicionar de maneira produtiva. A inclusão das TIC facilita o desenvolvimento tanto de setores econômicos como sociais, melhorando as condições de produção e de vida dos habitantes.

Por isso, as startups funcionam como oportunidade de evolução para quem participa delas, e também geram novas opções de emprego para o resto dos habitantes do país. Neste sentido, a iniciativa das autoridades do Brasil é positiva para a sociedade como um todo, já que cria condições para o desenvolvimento de novas oportunidades relacionadas com tecnologia e inovação.

No entanto, estas políticas devem vir acompanhadas de outras que buscam estimular a conectividade no mercado. A possibilidade de que uma maior quantidade de habitantes possa estar conectada gera uma vantagem em dobro: por um lado, permite um potencial de geradores de novas startups, assim como apresenta um grande mercado interno para estes mesmos desenvolvedores.

Neste sentido, as iniciativas que buscam aumentar a conectividade de banda larga no mercado são positivas, particularmente as que permitem a conectividade da banda larga móvel, que por suas características permitem alcançar grandes coberturas territoriais de forma mais econômica e rápida. Neste sentido, tecnologias como a LTE, e em um futuro próximo a 5G permitirão alcançar coberturas com altas velocidades e robustez na transmissão de dados.

Por esse motivo, é importante que as autoridades do Brasil desenvolvam políticas que incentivam o desenvolvimento de tecnologias sem fio. Principalmente aquelas que buscam aumentar a quantidade de espectro radioelétrico destinado aos serviços móveis. É também necessário que se desenvolva uma agenda com as futuras licitações de espectro que possibilite às operadoras planejar de forma mais eficiente investimentos futuros.

A existência de normas claras no que se refere ao desenvolvimento de infraestrutura é também uma medida necessária. No caso do mercado do Brasil, destaca-se a lei das antenas, que estipula quais são os requisitos burocráticos necessários para levar o desenvolvimento deste tipo de infraestrutura. Este tipo de dispositivo é necessário para que as operadoras tenham um planejamento eficiente do desenvolvimento de infraestrutura.

Outro ponto necessário a considerar é a redução de impostos que existem sobre dispositivos de redes e terminais de acesso. No primeiro dos casos é necessário reduzir os custos de desenvolvimentos de infraestrutura facilitando dessa forma o desenvolvimento por parte das operadoras. Por outro lado, a redução de impostos nos dispositivos os torna mais acessíveis, permitindo que uma maior quantidade da população possa acessá-los.

Como observado, a iniciativa realizada pelas autoridades do Brasil é importante para que o mercado possa ingressar na nova economia digital. No entanto, é necessário que as autoridades gerem políticas que estimulem o acesso à banda larga móvel para que tenham um melhor desempenho.