Entre as diferentes iniciativas realizadas pelos governos para incentivar a adoção das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) encontra-se a geração de programas que procuram envolver a população. A possibilidade de incentivar os cidadãos para participar em projetos confirma uma estratégia para aumentar a apropriação da tecnologia e melhorar o desenvolvimento econômico e social de cada país.

Neste sentido, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) desenvolveu o programa Centelha. Esta iniciativa tem como objetivo incentivar a adoção de empreendedores que se dedicam à inovação em todo o país. O programa conta com as participações da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação CERTI.

O programa tem como ponto importante melhorar os recursos para projetos em ciência, tecnologia e inovação, e como um amparo financeiro para os programas de pesquisa do Sistema Nacional de Ciência. Desta forma, as autoridades buscam manter os esforços na execução de programas deste tipo.

O programa Centelha será executado de forma descentralizada, por meio da articulação institucional e operacional com órgãos e entidades de administração publica estadual que atuam na área de ciência, tecnologia e inovação com o apoio técnico e financeiro do MCTIC e das agencias federais de fomento.

De um total de 21 projetos aprovados preliminarmente por parte do FINEP na seção de propostas, 1 é proveniente das Fundações de Apoio e Pesquisa (FAPs nas siglas em português) dos estados. Para realizá-los existem investimentos por parte do MCTIC, do FINEP e do governo.

Com isso, existe uma forte articulação institucional entre o ministério e as demais entidades, que fazem parte do ponto diferencial do programa. O Brasil conta com um programa a nível nacional de empreendimento baseado em tecnologia.

Os principais benefícios oferecidos pelo programa são capacitações, recursos financeiros e suporte para ajudar os empreendedores a transformar suas ideias em casos de negócios de sucesso. Então, a Centelha oferecerá financiamento para empresas por parte da subvenção do FINEP e de seus respectivos sócios estaduais para ajudar os novos empreendedores a realizar seus negócios.

O programa também contribui para a ampliação da quantidade e melhoria da qualidade de propostas para empreendedores de base tecnológica. O objetivo é aumentar a quantidade de incubadoras, aceleradoras de empresas, espaços de coworking, laboratórios abertos, parques e polos tecnológicos.

O período de inscrição para empreendedores interessados acontecerá no primeiro semestre de 2019. Para isto, o programa já oferece informação para a comunidade empreendedora por meio do Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter, assim como também para os empreendedores que levarem ideias no momento do inicio do programa.

Iniciativas deste tipo confirmam um passo importante para aumentar a adoção das TIC por parte da população. Além disso, também estimula a produtividade e a inclusão do país dentro da economia digital. Em outras palavras, trata-se de um trabalho que potencializa a adoção da tecnologia.

No entanto, para que este tipo de iniciativa tenha uma recepção e desenvolvimento positivo no mercado é necessário que estimule também a adoção da banda larga móvel sem fio. Ou seja, aumentar a conectividade é um dos passos conjuntos que deve ser dado pelas autoridades para poder potencializar a adoção das TIC.

Assim, é importante que as autoridades desenvolvam politicas para aumentar a quantidade de espectro radioelétrico disponível para serviços de banda larga móvel. Assim como também a geração de uma agenda que permita às operadoras conhecer as próximas licitações de espectro disponíveis e então planejar da melhor forma seus investimentos.

Vale enfatizar que é importante que exista, como já acontece no Brasil, uma lei que nutra as demandas requeridas pelas operadoras no momento de desenvolver uma rede de telecomunicações. A existência de regras claras é necessária para que possa planejar de forma eficiente o desenvolvimento de uma nova tecnologia.

Por sua vez, é também necessária uma redução dos impostos, tanto para os componentes de redes, como para os terminais de acesso. No primeiro caso, permite um desenvolvimento mais rápidos das redes, tanto que torna mais acessível os terminais permitindo que uma maior quantidade de usuários acesse a tecnologia.

Como pode-se observar, a iniciativa realizada pelo MCTIC é de grande importância para aumentar o acesso da população à tecnologia e sua utilização em projetos que melhorem as condições de vida dos habitantes. No entanto, esta deve vir acompanhada por estratégias que buscam aumentar a conectividade do mercado, potencializando o acesso de uma maior quantidade de habitantes.