Entre os desafios enfrentados pelas diferentes administrações da América Latina encontra-se a digitalização de suas sociedades e economias. Neste sentido, a formação da população nas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) é uma tarefa que deve ser realizada de forma permanente para poder atender às demandas do cenário global.

Para alcançar esta meta, a Subsecretaria de Educação de Honduras, com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), desenvolveu o Projeto Jovem em Santa Cruz de Yojoa, Departamento de Cortés, para aprender sobre a experiência do Programa de Aprendizagem Assistida por Tecnologia (PAAT).

O objetivo é que estudantes de recursos escassos que vivem em áreas rurais possam cursar o terceiro ciclo de educação básica. Para isto, oferece uma plataforma que funciona sem internet e que oferece capacidade técnica suficiente para preparar o estudante com aulas individuais conforme o currículo nacional de educação básica do país e orientado por um facilitador que tira dúvidas dos alunos.

Assim, por meio da visita, as autoridades podem conhecer a infraestrutura que o programa utiliza para transmitir as aulas. No caso de Santa Cruz de Yojoa, trata-se do condicionamento de contêineres que possuem instalações elétricas, ar condicionado, janelas e piso. Este equipamento permite um baixo custo econômico e um rápido tempo de implementação, em comparação com a construção de uma sala de aula tradicional.

Dentro dessa estrutura, o Projeto Juventude visa contribuir para o desenvolvimento das habilidades para o trabalho e a vida dos jovens hondurenhos. O objetivo é proporcionar acesso e qualidade da aprendizagem no terceiro ciclo da educação básica, nos municípios priorizados pelo projeto, com ênfase no oeste do país.

A inclusão das TIC na formação de jovens é uma primeira abordagem positiva do governo hondurenho. No entanto, é importante que essas experiências educacionais tenham acesso à banda larga, tecnologia que permitirá que o aprimoramento e o treinamento mais rápidos do conteúdo sejam atualizados para as novas demandas do mercado global.

Em particular, por serem áreas rurais ou longe de centros urbanos, a banda larga móvel se torna uma ferramenta fundamental para esse tipo de programa educacional. Devido à sua condição, permite uma cobertura mais rápida de grande cobertura, atingindo um maior número de escolas e permitindo altas velocidades e conectividade robusta.

Por esse motivo, é importante que as autoridades implementem estratégias diferentes que permitam à indústria móvel e implantar tecnologias como LTE ou, em um futuro próximo, 5G. É através desses investimentos que os serviços de banda larga podem ser alcançados em áreas ainda não cobertas, com acesso robusto e de alta velocidade.

Políticas que permitem às operadoras acessar uma quantidade maior de espectro de rádio para serviços móveis devem ser implementadas pelas autoridades. Assim como a implantação de uma agenda de futuros concursos de espectro que permitam que as operadoras tenham previsibilidade para fazer investimentos e implantar novas tecnologias.

Como você pode ver, as iniciativas que Honduras está realizando na busca para aumentar a formação de estudantes, incluindo as TIC, são positivas. No entanto, é necessário que eles comecem a incorporar a conectividade de banda larga móvel, para que possam ser atualizados imediatamente e permitir uma melhor preparação para os alunos. Para atingir esses objetivos, também é importante que as estratégias que buscam aumentar a conectividade de banda larga, principalmente a sem fio, sejam implantadas simultaneamente em todo o país.