A revolução na economia digital está chegando, o que torna importante para diferentes mercados gerar mais esforços para aumentar a adoção de tecnologia na sociedade. A implementação de planos nacionais orientados nessa direção se torna uma estratégia importante.

Nesse contexto, o Governo da Venezuela implantou o Plano Nacional de Inovação Tecnológica, que estabelece o incentivo para diferentes projetos de inovação por meio de seu financiamento. Na inscrição para participar do plano, foram contabilizados mais de 3.700 participantes, dos quais 38% são mulheres entre 40 e 50 anos de idade, com experiências focadas em agricultura, água, eletricidade e eco-tecnologia.

O programa busca apoiar os projetos do setor industrial, público e privado, além de estudantes, pesquisadores, cientistas, professores universitários. Embora também esteja aberto a qualquer cidadão que queira participar do programa, o que também permite censurar os atores, capacidades e propostas em relação à ciência, tecnologia e inovação.

Embora os projetos possam ter temas diferentes, são priorizados aqueles relacionados aos Motores da Agenda Econômica Bolivariana. Ou seja, com temas como agroalimentar, água, Sistema Elétrico Nacional, todas as tecnologias que podem ser desenvolvidas em termos de inovação e processo que permitem fontes alternativas, gestão e consumo eficiente de energia elétrica, também em petróleo, petroquímica e transporte.

Cada um dos inovadores que participarem terão acompanhamento do Estado, assistência técnica, financiamento, desenvolvimento de protótipo, incubação, dimensionamento e industrialização. Por exemplo, a Fundação Innova oferecerá oficinas de treinamento para a realização de projetos e explicará as etapas para acessar financiamento, assistência técnica e validação de métodos de desenvolvimento.

A oportunidade de acompanhar o desenvolvimento de projetos promovidos pelos cidadãos é de grande importância no estabelecimento de uma estratégia como país para ingressar na economia digital. Em outras palavras, estimular a implantação de novas tecnologias se torna uma ferramenta importante para o mercado se beneficiar da revolução digital.

No entanto, essas iniciativas devem ser acompanhadas por outras que permitam à população acessar a conectividade. Em particular através da banda larga móvel, que devido às suas condições pode levar serviços para uma parcela maior da população de forma eficiente e com menos investimentos. Nessa estrutura, tecnologias como LTE e, no futuro, 5G, facilitam o acesso de maneira robusta e com altas velocidades.

Neste sentido, tornam-se importantes as estratégias que buscam fortalecer essas tecnologias, como as políticas de maior disponibilidade de espectro radioelétrico para esse tipo de serviço. Assim como a geração de uma agenda com futuros concursos que permitam às operadoras ter previsibilidade no momento de fazer investimentos futuros.

Também é importante que as autoridades reduzam os encargos fiscais existentes nos terminais de acesso e nos dispositivos de rede. No caso dos componentes que fazem parte da infraestrutura, essa medida melhoraria a cobertura dos serviços aumentando o número de colonos conectados. Da mesma forma, a redução de impostos nos terminais os torna mais acessíveis, o que permitirá aos cidadãos acessar a tecnologia de maneira mais simples.

Como pode-se observar, os planos implantados pelas autoridades venezuelanas em busca de incentivar a geração de projetos inovadores podem ser um grande impulso para a entrada desse mercado na economia digital. No entanto, é necessário que seja acompanhado por maiores incentivos de conectividade para obter maior sucesso.