Cobertura Especial – A busca por aumentar a conectividade no mercado é um dos objetivos propostos pela maioria das autoridades dos Estados da América Latina. Essa ferramenta busca gerar inclusão digital que possibilite que diferentes mercados se adaptem às demandas que existirão na sociedade do conhecimento, ou seja, aprimorem as habilidades tecnológicas da população.

Nesse sentido, o Governo da Argentina destacou a importância do espectro radioelétrico para aumentar a inclusão digital. De acordo com Héctor Huici, Secretário de TIC, “a tecnologia e a regulamentação podem melhorar a utilização e a melhor utilização do espectro”, ou seja, podem ser usadas para acabar com a exclusão digital. O Secretário observou que “hoje seria difícil imaginar uma vida sem usar o espectro de rádio, tanto quanto seria imaginar como nossa vida funcionaria sem eletricidade”.

Durante a reunião “Facilitando o fim da exclusão digital através do uso dinâmico do espectro”, realizada na Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade de Buenos Aires, na Argentina, o governo daquele país deixou clara sua disposição para incentivar o aumento do uso do espectro para reduzir a exclusão digital. Nas palavras de Huici, foram acrescentadas as declarações coincidentes de Agustín Garzón, Diretor da Agência Nacional de Comunicações (ENACOM).

Em seu discurso, Garzón destacou a importância da conectividade para a evolução e o futuro produtivo do país. Ele ressaltou que na Argentina ainda existem seis milhões de famílias que não acessam a Internet e que cerca de 2 milhões nem sequer têm cobertura. Nesse sentido, ele enfatizou que o espectro de rádio é uma ferramenta necessária para que eles acessem a conectividade.

Nesse sentido, Garzón destacou o leilão de espectro de 450 MHz para trazer conectividade às áreas rurais. Ele destacou essa banda como uma primeira aproximação e ferramenta para que áreas que até agora não tinham serviços pudessem ser conectadas.

Ele também se referiu à possibilidade de alcançar áreas remotas através dos serviços de satélite ARSAT, bem como para a área montanhosa. Em relação à empresa estatal, o funcionário destacou que está sendo feito um trabalho para transmitir dados em fibra ótica escura que possui. Dessa forma, busca-se chegar com serviços de backhaul a locais do país que até agora eram negligenciados.

Ele também destacou o plano de Contribuições não reembolsáveis ​​(NRA) que a agência realiza para apoiar as PME que oferecem serviços de conectividade em aldeias rurais. Ele explicou que, no momento, existem 160 locais onde essa estratégia foi realizada e que têm conectividade para a população.

O programa visa facilitar a atualização e expansão das redes de última milha e a interconexão às redes de serviços de atacado por micro, pequenas e médias empresas que prestam o Serviço de Acesso à Internet de Banda Larga Fixa. Para isso, cada empresa, que opera em locais com até 50.000 habitantes, recebe empréstimos subsidiados. Este plano é desenvolvido em conjunto com diferentes entidades financeiras públicas e a aplicação de fundos do Universal Service Trust Fund.

Dessa forma, a declaração dos representantes do governo argentino sobre a importância de tirar proveito do espectro de rádio para melhorar a conectividade pode ser claramente observada. Embora seja necessário que essas intenções também sejam acompanhadas por mais licitações de espectro de rádio licenciado, para que o mercado possa desenvolver com eficiência serviços de banda larga sem fio, como a 5G, que permitem alta velocidade de acesso, dados robustos e o uso desses serviços no caminho para uma economia digital.