A conectividade é um dos desafios que a maioria das autoridades latino-americanas procura enfrentar. Em particular, permite que as diferentes indústrias que compõem a economia de um país tenham acesso a tecnologias que aumentam a produtividade, seja por incentivos ao setor ou por intervenção do próprio estado.

Nesse sentido, o Ministério dos Transportes e Telecomunicações do Chile implantou o projeto de Roaming Automático Nacional (RAN), que visa garantir o acesso por telefone e Internet em áreas sem cobertura. Dessa maneira, as operadoras presentes em determinadas áreas devem facilitar o acesso à sua rede para que outras pessoas ofereçam seus serviços.

Dessa forma, o ministério busca que, em certas áreas rurais, isoladas ou mesmo urbanas, atinjam melhores condições de cobertura. Isso visa levar conectividade para milhões de pessoas que não têm um serviço permanente e são forçadas a ter mais de um chip de telefone ou dispositivo móvel para se comunicar, especialmente nas áreas mais remotas do país.

Dentro dessa estrutura, o RAN exige que as operadoras ofereçam acesso às suas redes a outras concessionárias que não possuem cobertura em algumas áreas. Assim, o cliente que não possui cobertura de uma determinada empresa pode se conectar automaticamente utilizando outra rede. Assim, o projeto busca garantir um fornecimento contínuo e eficiente para todos os habitantes.

Estima-se que em todo o Chile cerca de 700 localidades tenham apenas uma operadora 4G disponível, o que limita as possibilidades de clientes de telefonia móvel e internet. De fato, na região de Atacama, essa situação é registrada em Hornitos, Chañaral de Aceituno e Incahuasi, onde os usuários devem contratar os serviços de uma única empresa.

Entre as áreas que eram afetadas por esses problemas está o Atacama, onde grande parte da indústria de mineração trabalha. Com a iniciativa, é possível ampliar geograficamente a cobertura dos serviços e diversificar a oferta dos concorrentes, principalmente nas áreas do território em que, devido à baixa densidade populacional ou natureza isolada, existe uma rede móvel.

Da mesma forma, outros serviços de conectividade, como a Internet das Coisas (IoT), que melhoram as condições de produtividade em diferentes setores, são aprimorados. O uso da banda larga móvel permitirá que diferentes setores aprimorem suas oportunidades, particularmente em um futuro próximo quando a 5G começar a ser implantada em diferentes áreas do Chile, melhorando assim as oportunidades de oferecer soluções IoT novas e mais avançadas.

No entanto, para que essas tecnologias tenham uma adoção eficiente, é necessário que as autoridades chilenas disponibilizem para a indústria de banda larga móvel uma quantidade maior de espectro de rádio. Assim como a geração de uma agenda de futuros concursos de espectro que gerem previsibilidade entre as operadoras, a fim de planejar com mais eficiência a implantação de redes futuras.

Também é necessário progredir na redução dos encargos fiscais existentes na importação de componentes de rede e dispositivos de acesso. No primeiro caso, será essencial que as operadoras implantem uma cobertura maior, pois os custos de infraestrutura são reduzidos. Por outro lado, uma queda nos dispositivos de acesso não apenas resultará em terminais mais baratos, o que aumentará as chances de mais pessoas possuírem um dispositivo, mas também aumentará a adoção da IoT.

Como você pode ver, as medidas realizadas pelo Ministério de Transportes e Telecomunicações do Chile são importantes para aumentar a conectividade em áreas onde o setor de mineração pode se beneficiar e aumentar a riqueza do país. No entanto, existem outras iniciativas, como maior disponibilidade de espectro ou redução da carga tributária, para que o setor de banda larga móvel possa aumentar a conectividade nessas áreas.