Os esforços para reduzir a exclusão digital em diferentes países alcançam distintas áreas, desde a inclusão de politicas públicas, até as iniciativas do setor privado. Neste sentido, o trabalho pedagógico, assim como o de promoção de boas práticas e políticas favoráveis para o setor também são importantes para alcançar este objetivo.

Neste sentido, na América Central, destaca-se o Instituto Panamenho de Direito e Novas Tecnologias (IPANDETEC), que é encarregado de promover o uso e regulamentação das TIC e da defesa dos Direitos Humanos em um ambiente digital através da análise, incidência, pesquisa, e monitoramento legislativo em políticas públicas de internet.

Dentro do IPANDETEC trabalha Hamzah Haji, que é licenciado em Ciências da Computação e também pós-graduado em Administração de Empresas da Universidade Latina do Panamá. Além disso, possui diploma em administração de politicas publicas do programa CAF e da Universidade George Washington, e mestrado em análises de negócios do INCAE.

O senhor Hamzah Haji está comprometido com a área de telecomunicações do Panamá, além de colaborar em projetos de automação do governo e atualmente realiza consultoria em análises da dados e infraestrutura de TI. Sobre estes temas conversou com o Brecha Zero:

Brecha Zero: Como considera que as TIC podem melhorar as condições de vida das pessoas?

Hamzah Haji: As TIC, em conjunto com todas as áreas, desde infraestrutura, processos, programming, análises de dados, IA, etc. são elementos que melhoram as condições de vida das pessoas. Para mim, o exemplo mais simples são os ODS (objetivos de desenvolvimento sustentáveis), que no meu critério só podem mudar nos prazos exigidos com o uso e a implementação da tecnologia TIC em cada um dos indicadores.

Brecha Zero: qual é a importância de reduzir a Exclusão Digital para o Panamá e para a América Central?

Hamzah Haji: Reduzir a exclusão digital dos nossos países é de grande importância, já que disto dependerá o desenvolvimento de nossos cidadãos na redução das outras exclusões como sociais, econômicas e educativas.

Mas não só em comparação com outras regiões, mas dentro de nossos países, caso contrário, haverá vantagens para o desenvolvimento de alguns comparados ao desenvolvimento de outros.

Brecha Zero: Quais iniciativas o IPANDETEC tomou para aproveitar o uso das TICs para o desenvolvimento?

Hamzah Haji: As iniciativas em que o IPANDETEC atua constantemente na região estão ligadas à criação de capacidades, políticas públicas e marcos legais.

No IPANDETEC, estamos conscientes de que as mudanças sociais, culturais, econômicas e políticas precisam de marcos regulatórios alinhados com os tempos em que o direito humano é respeitado na era digital.

Brecha Zero: Qual dos mercados verticais do Panamá e da América Central você considera ter o melhor uso das TIC?

Hamzah Haji: No caso do Panamá e da América Central, com as características culturais e econômicas de cada país, os setores verticais que mais a utilizam são: logística, serviços bancários, telefonia, educação e entretenimento.

Brecha Zero: Quais medidas você acha que os governos deveriam adotar para estimular a adoção da banda larga?

Hamzah Haji: Pela geografia de nossos países, onde existem regiões com maior demografia do que outras, às vezes por lucratividade é difícil para as empresas de telecomunicações investir em determinada infraestrutura, mas o formato APP (parceria público-privada) pode ser uma solução.

Da mesma forma, um papel mais ativo dos reguladores de serviços na medição da qualidade do serviço oferecido pode ajudar a estimular a adoção da banda larga.

Brecha Zero: Como o IPANDETEC ajuda os governos? Qual é o seu diálogo com as autoridades do Panamá e da América Central?

Hamzah Haji: O IPANDETEC ajuda os governos através de propostas, além da criação de fóruns de participação cidadã, onde os diferentes problemas regionais na governança da Internet são debatidos em múltiplos setores. Este trabalho facilita os governos a entender os requisitos de tecnologia e TIC dos cidadãos.

Brecha Zero: Qual a importância das tecnologias móveis ao diminuir a exclusão digital?

Hamzah Haji: Nos países da nossa região é muito importante, já que a penetração dos celulares é muito alta. No entanto, devemos trabalhar em uma política de longo prazo em educação e cultura digital, que deve ser o próximo desafio para as políticas públicas.

Brecha Zero: Quais são suas expectativas sobre a implantação de serviços 5G e IoT no Panamá e na América Central?

Hamzah Haji: Com relação à implantação da 5G no Panamá e na América Central, espera-se que leve pelo menos mais uma década, já que atualmente apenas o Panamá, a Costa Rica e Belize têm infraestrutura 4G.