As Ilhas Virgens Britânicas contarão com o Sistema de Informação do mercado de trabalho (LMIS em inglês). Trata-se de um software que possibilita aos governantes avaliar o mercado de trabalho local e regional, o que faz parte de um plano desenvolvido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Como parte da Organização dos Estados do Caribe Oriental (OECS, em inglês) as Ilhas Virgens Britânicas assinaram o programa OECS-LMIS. Desta maneira, geram um intercâmbio de dados para facilitar uma ampla gama de indicadores do mercado de trabalho, o que se transforma em um melhor acesso à informação deste setor.

Assim, o LMIS utiliza “Big Data” para seguir as tendências da demanda da indústria. A informação coletada é utilizada por órgãos governamentais para planejar de maneira eficiente as necessidades da indústria, assim como para se adaptar à melhores condições de trabalho.

A iniciativa OECS-LMIS é parte de um Memorando de entendimento entre a OIT e a Secretaria da OESC. Este acordo busca assegurar a disponibilidade de estatísticas dos níveis de emprego, que buscam proporcionar informação sobre como se relacionam aspectos chave da economia no desenvolvimento da região.

Neste cenário, OECS-LIMS busca fornecer estatísticas importantes sobre salários e outros indicadores relacionados com o trabalho, que não estão disponíveis em indicadores do censo, realizados pelos diferentes estados. Estes dados são significativos para a supervisão do trabalho e a formulação de políticas para a área, assim como para a elaboração de indicadores de produtividade.

Desta forma, desenvolveu-se um foco estratégico que busca responder aos desafios estruturais da região. Conseguindo uma infraestrutura estatística que possibilita implantar políticas que tendem a gerar melhorias nas condições de trabalho. A necessidade desta informação toma maior importância a partir de crises econômicas e financeiras mundiais.

Para manter o OECS-LIMS as autoridades nacionais irão recorrer à financiamentos (órgãos como departamentos de trabalho de cada um dos países participantes), assim como o porte internacional e a assistência técnica da OIT, do Banco Mundial e da Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina (CEPAL), entre outros órgãos.