As Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) confirmam uma ferramenta fundamental no momento de medir e prevenir as catástrofes naturais. De acordo com a Organização Mundial das Nações Unidas (ONU), durante os últimos 20 anos, 90% dos desastres do mundo foram causados por inundações, tormentas, ondas de calor e outros eventos relacionados com o clima.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Nação (MINCYT) fez em dezembro passado uma convocação para o projeto estratégico “Tecnologia para a previsão de catástrofes”. O objetivo é que obtenham uma resposta rápida na gestão de desastres, junto com o acesso gratuito para uma grande quantidade de dados sobre as condições atmosféricas, de interesse para o público geral e, em particular, para o setor agropecuário.

Para realizar esta iniciativa, gerou-se um consórcio público privado no qual participam o Serviço Meteorológico Nacional (SMN), o Conselho Nacional de Investigações Cientificas e Técnicas (CONICET) e o INVAP-FRONTEC (FRICS). O consórcio se encarregará de implementar um sistema de monitoramento e alerta que favorecerá a detecção climática de eventos atmosféricos de alto impacto em termos produtivos e sociais.

A responsável pelo investimento necessário para realizar o projeto é a Agência Nacional de Promoção Científica e Tecnológica, que cobre até 80% do valor através do Fundo Argentino Setorial (FONARSEC), com financiamento do Banco Internacional de Reconstrução e Fomento (BIRF-Banco Mundial). O restante do investimento, ficará por conta do CAPP.

Para atender as catástrofes naturais, o Ministério da Ciência mantém duas linhas de trabalho: buscar otimizar alertas e, por outro lado, agilizar a resposta do país em tais situações. Uma vez finalizado o projeto poderá avançar em ambas as direções, já que oferecerá, mediante técnicas avançadas de modelagem numérica por conjuntos, informação em tempo real de todo o território nacional.

A iniciativa busca utilizar a tecnologia para prevenir as catástrofes naturais e faz parte de um dos 12 projetos estratégicos do MINCYT que buscam colaborar na criação de emprego e na melhora da qualidade de vida da população. Com sua realização, o Ministério fornece serviços de ciências e tecnologia para outros órgãos públicos, em particular para institutos de pesquisa com o setor privado e financiam ações alinhadas com as necessidades da população.

O principal investimento do programa será a aquisição de um sistema de um supercomputador, o que permitirá dar um salto em matéria de capacidades tecnológicas para a produção de prognósticos. Dessa maneira, poderão gerar melhores prognósticos e ter uma estimativa da incerteza associada a cada um. Então, essa informação poderá ser comunicada corretamente e estará disponível para os tomadores de decisão.

Para poder desenvolver esta iniciativa, o consórcio público e privado colocará em funcionamento um centro de cálculo operacional de alta capacidade no Serviço Meteorológico Nacional, e instalará um novo sistema de assimilação de dados e de prognóstico numérico por montagens em alta resolução. Além disso, alocará um equipamento similar no Centro de Pesquisa do Mar e da Atmosfera (CIMA) com o objetivo de acelerar com uso de dados satelitais e de radar processados por software da empresa INVAP.

Este tipo de iniciativa é importante do ponto de vista das prevenções que podem ser feitas pelas autoridades. No entanto, é preciso que este tipo de informação possa estar disponível de maneira rápida e fácil para toda a população.

Neste sentido, um aplicativo móvel poderia ser uma solução simples e de alcance da maioria dos habitantes, prevendo possíveis desastres naturais e melhorando sua capacidade de reação. Também pode gerar aplicativos que permitam guiar os usuários enquanto ocorrer a catástrofe ordenando suas ações.

No entanto, para que estas aplicações tenham um bom recebimento por parte da população é importante que as autoridades desenvolvam políticas que tendem a incentivar a indústria das telecomunicações. Em particular, a disponibilidade de espectro radioelétrico possibilita que a indústria da banda larga móvel tenha uma maior evolução. É importante também que exista equidade na outorga deste bem escasso entre as diferentes operadoras do mercado.

Todavia, a redução de barreiras burocráticas para o desenvolvimento de infraestrutura também é necessária para potencializar a indústria móvel, e por outo lado, melhorar as possibilidades para que os aplicativos possam ajudar os cidadãos em uma catástrofe. Da mesma forma, a redução imposta para componentes das redes móveis e dispositivos de acesso também poderão potencializar serviços móveis no mercado, melhorando o impacto que os aplicativos podem ter junto à população.

Como pode-se observar, a inclusão das TIC é de muita utilidade para que as autoridades e a população esteja preparada ante qualquer catástrofe natural. No entanto, é de muita utilidade que se gerem aplicativos associados que permitam democratizar o acesso a estes dados, permitindo a toda a população ter acesso a essa informação de maneira rápida. Além do que, também é importante que a população conte com a conectividade necessária para que possa ter acesso aos aplicativos.