Os trabalhos em tele-educação desenvolvidos ao longo da América Latina contam com diferentes frentes. Desde a entrega de dispositivos para os alunos, até a produção de conteúdos educativos e aplicativos móveis, os governos da região estão realizando esforços para aumentar o nível de desempenho das tecnologias da informação e da comunicação (TIC).

O governo da Nicarágua implantou um programa em que os jovens podem aprender a programar e montar peças de robótica nas salas de aula. Com o nome de Robótica Educacional, estudantes do quinto e sexto grau contarão com o fornecimento de 17 kits de peças robóticas.

A implantação do programa anteriormente contou com a capacitação de 30 crianças, nos meses de fevereiro a junho, no uso e gestão do programa do Office e na digitação e internet em um primeiro momento. Posteriormente, eles foram introduzidos ao conhecimento de programação e montagem de peças robóticas.

A iniciativa conta com o apoio da Comunidade Bots em parceria com os Estudantes de Granada, que foi a instituição que doou as peças robóticas. Através da incorporação da introdução à robótica educacional, através de materiais interativos, procura estimular os alunos no pensamento lógico, na resolução de problemas, na curiosidade e no interesse pela ciência para avançar na qualidade educacional.

Este tipo de iniciativa é um passo importante nos programas de Tele-educação realizados pelos diferentes governos. Particularmente, em face dos novos desafios trabalhistas enfrentados pelos jovens que agora fazem parte do sistema educacional, uma vez que a nova revolução digital exigirá novas habilidades para os trabalhadores, aprimorando o conhecimento necessário na nova revolução digital. Esses esforços devem ser acompanhados de esforços na geração de conteúdos educacionais, bem como na formação do corpo docente.

Desta forma, o Estado garante que a formação dos alunos tenha um apoio que permita aos alunos consultar dúvidas e melhorar sua formação. Assim como a formação de professores é necessária para aumentar as oportunidades de sucesso do programa.

A conectividade de mercado é outro ponto importante para que essas iniciativas funcionem de maneira eficiente. A possibilidade dos alunos estarem conectados permite-lhes melhorar a sua experiência educacional, possibilitando que eles vejam e conheçam sobre outras iniciativas semelhantes a nível global, o que lhes permite evoluir na sua aprendizagem.

Neste sentido, faz-se necessário ter políticas que envolvam as autoridades no que se refere a aumentar a conectividade no mercado. Por sua condição, as tecnologias de banda larga sem fio permitem alcançar grandes coberturas de forma mais rápida. Assim, a LTE possibilitará oferecer acesso à banda larga em lugares distantes dos grandes centros urbanos, serviços que se potencializam com a chegada da 5G.

Entre as medidas necessárias está a redução das barreiras burocráticas que existem no momento da implantação das redes de telecomunicações. Particularmente aqueles que estão relacionados a antenas de banda larga sem fio.

A existência de uma regulamentação em nível nacional que permita que as operadoras saibam quais são as demandas dos diferentes níveis estaduais é necessária para que ganhem previsibilidade ao implantar uma nova rede. Ter essa informação se torna importante para planejar e desenvolver uma nova rede de telecomunicações de maneira eficiente.

Como você pode ver, a existência de planos que visam introduzir as TIC na educação primária é importante para o avanço e preparação dos jovens em face aos desafios das novas economias. No entanto, essas medidas devem ser acompanhadas por outras que busquem aumentar a conectividade no mercado.