Por José Otero. Vice-Presidente da 5G Américas para América Latina e Caribe

Os países que compõem a América Latina e Caribe apresentam alguns desafios em comum em relação à agricultura, educação, integração de seus municípios, produtividade, saúde, trabalho e transparência governamental. Em todos esses setores, a banda larga móvel é apresentada como uma alternativa para melhorar os serviços sociais, as condições produtivas e fortalecer a nova economia digital.

José Otero. Vice-Presidente da 5G Américas para América Latina e Caribe

Esses projetos realizados em toda a região foram referendados pelo quarto ano consecutivo no Brecha Zero, por meio de diversos artigos que destacaram a importância da banda larga móvel e sem fio. Neste portal, podemos ler variados artigos relacionados à telessaúde, tele-Educação, governo eletrônico (e-Governo) e agronegócio (agroalimentar), etc., que potencializaram seus benefícios e alcance por consequência de uma melhor conectividade em cada um de seus respectivos mercados.

Assim, o blog publicou nesses anos artigos descrevendo variadas iniciativas realizadas por governos, universidades, organizações não-governamentais e para aproveitar a evolução da banda larga móvel e melhorar as condições de vida das pessoas. O Brecha Zero se tornou também uma plataforma para compartilhar a visão de analistas, especialistas, diferentes gerentes de consultorias, empresas do setor, organizações não-governamentais e diferentes órgãos estatais.

Artigos, entrevistas e colunas destacaram a importância de promover a conectividade por meio da LTE, bem como as oportunidades que a 5G trará para amplificar essas experiências. Entre outros colaboradores destacam-se, Manuela González Ursi e Damián Cejas, o projeto Atalaya Sur da Argentina, Agostinho Linhares, Gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão da Anatel do Brasil, J. Eduardo Rojas, Presidente Executivo da Fundação REDES da Bolívia, Rafael Lito Ibarra, Secretário da Casa TIC de El Salvador, e Gabriel Contreras, Comissário Presidente da IFT do México, entre outros.

Brecha Zero esteve presente nos principais eventos da região, como Futurecom 2019 e 5G & LTE Latin America, realizados em São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente. Esteve presente na “Jornada: Perspectivas de las telecomunicaciones y TIC 2019”, que aconteceu em Buenos Aires, Argentina. Em todas as ocasiões o Brecha Zero enfatizou o uso das TIC como fomentador do desenvolvimento.

Uma série de estudos foi publicada pelo Brecha Zero com o intuito de demonstrar como a banda larga pode melhorar as condições de vida dos latino-americanos. Além de relatórios adicionados a série “Temas de Regulación en Telecomunicaciones” que inclui os mercados da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México e Panamá, focados na aplicação das TIC para alavancar o crescimento além de outros estudos de questões técnicas sobre telecomunicações. Todos com ênfase na importância da LTE, 5G e banda larga móvel.

Nos últimos quatro anos em que o Brecha Zero vem relatando o uso das TICs como motor de desenvolvimento, a América Latina passou de 41% de acessos utilizando 3G vs 3% utilizando 4G (LTE) para um total de 38% de acessos utilizando 3G vs 41% utilizando LTE, em junho de 2019, de acordo com os dados divulgados pela Ovum. Da mesma forma, a consultoria espera que a LTE atinja 508 milhões de linhas em 2023, superando a marca de 348 milhões em 2019.

Esse crescimento nas linhas de banda larga móvel foi acompanhado por um aumento no número de projetos que buscam maximizar os lucros em diferentes mercados verticais da região. Em outras palavras, o aumento do acesso móvel também é um estímulo ao aumento de iniciativas que buscam melhorar a qualidade de vida dos habitantes dos diferentes países da região.

Da mesma forma, é necessário que as autoridades tomem medidas para simplificar os processos burocráticos para a implantação das tecnologias de telecomunicações. Além de promover uma redução de impostos sobre os terminais de acesso e nos componentes de rede, ambos necessários para aumentar a adoção da banda larga móvel. Essas medidas resultarão em um número maior de habitantes conectados, possibilitando a proliferação de iniciativas associadas à saúde, educação, trabalho e governo.

Para apoiar essa implantação, o Brecha Zero mantém seu compromisso com a disseminação dos projetos que buscam massificar a conectividade, bem como aqueles que visam melhorar os diferentes mercados verticais por meio da adoção da tecnologia. Principalmente após a incorporação do salto que será a 5G nos diferentes mercados da América Latina.