O país sul-americano transformou-se no primeiro da região a anunciar um desenvolvimento comercial da 5G, através da operadora Antel.

A 5G Americas, Associação da Indústria de Telecomunicações e Voz para a 5G nas Américas, celebra a primeira implantação comercial de uma rede 5G na América Latina, desenvolvida pela operadora estatal Antel no Uruguai.

Nesta terça-feira, 9 de abril, a presidência do Uruguai informou que a operadora estatal desenvolveu uma rede 5G com serviço comercial na localidade balneária de La Barra (departamento de Maldonado) e no município de Nueva Palmira (Departamento de Colônia). As radio bases 5G NR NSA (5G Nova Rádio Não Autônoma, Release 15 do 3GPP) habilitadas utilizam 800 MHz de espectro radioelétrico na banda de frequências de 28 MHz, segundo detalhou a operadora.

Nas próximas semanas, a operadora planeja continuar o desenvolvimento da 5G no restante do território nacional, dessa forma os dispositivos 5G começarão a ser comercializados dentro de um mês.

“A 5G já é uma realidade na América Latina. Seguindo o exemplo do Uruguai, logo veremos novos anúncios de redes 5G na região, trazendo mais benefícios para os usuários latino-americanos, como maiores velocidades de conexão e menor latência em serviços de dados e internet. No entanto, a 5G traz grandes avanços em distintas atividades em todas as esferas da vida humana, desde o trabalho e as atividades econômicas como também o transporte, a saúde e a educação, e muitos outros setores verticais, graças aos diversos avanços tecnológicos importantes: a capacidade de conectar massivamente dispositivos de internet das coisas, as velocidades superando os gigabits por segundo e a latência ultra baixa”, destacou Jose Otero, Vice-presidente para América Latina e Caribe.

“No entanto, para facilitar a chegada desta nova tecnologia e garantir que estes benefícios se materializem o mais rápido possível em sintonia com o resto do mundo, é necessário que o setor público colabore em aspectos fundamentais para o presente e para o futuro das telecomunicações, particularmente na identificação, limpeza e alocação das novas frequências de espectro radioelétrico utilizados para a 5G, a eliminação das questões e demoras na obtenção de permissão para a construção de infraestrutura, a facilidade do acesso aos dispositivos 5G em condições de acessibilidade para os cidadãos latino-americanos”, agregou Otero.